Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Plataforma de petróleo perto de Tioga, na Dakota do Norte, em 21 de agosto de 2013

(afp_tickers)

O petróleo fechou em alta nesta terça-feira em Nova York, em resposta ao compromisso da Arábia Saudita de restringir, a partir de agosto, suas exportações.

O barril de "light sweet crude" (WTI) teve alta de 1,55 dólares a 47,89, nos contratos com entrega em setembro negociados no New York Mercantile Exchange (Nymex).

Em Londres, o barril de Brent do Mar do Norte para setembro avançou 1,60 dólares, a US$ 60,20.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e outros grandes produtores, como a Rússia, estão comprometidos desde o começo do ano a produzir menos a fim de fortalecer os preços da commodity.

Nesta segunda-feira, a Arábia Saudita indicou que as exportações serão reduzidas em agosto a 6,6 milhões de barris diários, contra os mais de 7,2 milhões ao dia exportados em alguns meses do ano passado.

A Nigéria, maior produtor africano, se comprometeu com o pacto de redução da produção. Tanto a Nigéria quanto a Líbia, ambas integrantes da Opep, tinham sido liberadas do regime de cotas devido aos prejuízos enfrentados pela indústria petroleira devido a conflitos internos.

A essas notícias se somou a expectativa de que os Estados Unidos anunciem, nesta quarta-feira, uma nova redução de seus estoques de petróleo, que seria o quarto seguido, afirmou Bart Melek, da TD Securities.

AFP