Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Plataforma de petróleo perto de Tioga, na Dakota do Norte, em 21 de agosto de 2013

(afp_tickers)

O preço do barril de petróleo no mercado de Nova York aumentou sutilmente nesta sexta-feira, após uma reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus parceiros, que foi promissora, mas não obteve avanços formais sobre o acordo de limitar a produção.

O barril de "light sweet crude" (WTI) para entrega em novembro subiu 11 centavos e fechou a 50,66 dólares no New York Mercantile Exchange (Nymex). Os preços evoluíram em torno do equilíbrio ao longo do dia.

O barril de Brent do Mar do Norte para entrega em novembro valorizou-se 43 centavos no Intercontinental Exchange (ICE) de Londres, fechando a 56,86 dólares, seu nível mais alto desde fevereiro.

"Os investidores esperaram para ver o que acontecia nas reuniões entre os membros da Opep, mas não emergiu nada concreto", destacou Matt Smith, da ClipperData.

O cartel e outros grandes países produtores de petróleo, a Rússia entre eles, se comprometeram no final de 2016 a conter suas exportações a fim de limitar a oferta no mercado mundial e, assim, recuperar o preço do barril.

Representantes destes países se reuniam nesta sexta-feira em Viena, Áustria, para prolongar o acordo que a princípio expira em março de 2018.

"O equilíbrio do mercado está comprometido", avaliou Mohammed Sanusi Barkindo, secretário-geral da Opep.

"Devemos manter o ritmo e continuar a ação concertada", declarou o ministro russo da Energia, Alexandre Novak. Mas por enquanto não se assumiu nenhum compromisso formal.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP