Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Plataforma de petróleo perto de Tioga, na Dakota do Norte, em 21 de agosto de 2013

(afp_tickers)

O petróleo subiu em Nova York a seu valor mais alto desde julho deste ano em meio às tensões na Arábia Saudita, maior exportadora do mundo.

O barril de light sweet crude (WTI) para dezembro aumentou 1,71 dólares, a 57,35 dólares, no New York Mercantile Exchange.

Príncipes, ministros e homens de negócios foram presos depois de uma operação contra a corrupção liderada pelo poderoso príncipe herdeiro Mohammed ben Salmane.

"O príncipe está se afirmando. Está mais agressivo", disse Phil Flynn da Price Future Group.

"A Arábia Saudita é uma das mais fervorosas defensoras do acordo de redução (da oferta de petróleo). Se ele continuar no poder, temos certeza de que veremos uma extensão do acordo", acrescentou.

A Opep e outros grandes produtores, entre eles a Rússia, aplicam de janeiro deste ano até março do ano que vem um acordo de cortes na produção como forma de fazer os preços subirem.

A renovação do acordo deverá ser discutido na reunião da Opep que acontecerá no dia 30 de novembro em sua sede de Viena.

Essa tensão na Arábia Saudita cresceu nesta segunda-feira, quando Riad acusou o Irã, também sócio da Opep, de estar por trás de um disparo de míssil sobre o aeroporto da capital saudita que chegou a ser interceptado.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP