Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foto de arquivo da logomarca da Opep na sede da organização em Viena, em novembro de 2016

(afp_tickers)

O petróleo fechou em alta nesta terça-feira (18), com o mercado influenciado por uma queda em potencial das exportações sauditas e a decisão do Equador de produzir mais do que o combinado pela Opep.

O barril de "light sweet crude" (WTI) teve alta de 38 centavos, a 46,40 dólares, nos contratos para agosto negociados no New York Mercantile Exchange (Nymex).

Em Londres, o barril de Brent do Mar do Norte com entrega para setembro avançou 42 centavos, a 48,84 dólares.

O mercado notou que a Arábia Saudita, maior exportadora mundial e líder da Opep, se encaminha para reduzir suas vendas no exterior, disse Bill O'Grady, da Confluence Investment, para explicar o bom desempenho dos preços.

O'Grady indicou que a decisão saudita pode ser sazonal. O país precisa de uma grande quantidade de petróleo para produzir eletricidade em épocas de calor extremo, como a atual, indicou.

Os preços também foram sustentados pela desvalorização do dólar, atribuída às dificuldades do presidente dos Estados Unidos Donald Trump para pôr em marcha seus planos econômicos.

A queda do dólar estimula os preços porque as transações de petróleo se realizam nesta moeda.

Por outro lado, a decisão do Equador de aumentar sua produção apesar dos compromissos que assumiu na Opep gerou inquietude no mercado, ainda que o país seja o menor produtor do cartel.

"O mercado fica preocupado com o excesso de oferta após ter visto que o Equador, mesmo sendo pequeno, vai aumentar sua produção porque precisa de receita", disse Andy Lipow, da Lipow Oil Associates.

AFP