Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Plataforma de petróleo perto de Tioga, na Dakota do Norte, em 21 de agosto de 2013

(afp_tickers)

O petróleo fechou em alta nesta sexta-feira em Nova York, com o mercado em alerta para o possível impacto do furacão Harvey e instalações petroleiras do Golfo do México e Texas.

O barril de "light sweet crude" (WTI) para outubro ganhou 44 centavos e fechou 47,87 dólares no New York Mercantile Exchange (Nymex).

Em Londres, o barril de Brent do Mar do Norte, para entrega em outubro avançou 37 centavos e fechou a 52,41 dólares.

O petróleo tinha caído muito na quinta-feira quando os investidores temiam que a chegada do furacão pudesse provocar uma redução da demanda de petróleo, porque as refinarias podem parar de operar.

Harvey, que após a sessão passou da categoria 2 a 3, poderia se transformar no furacão mais poderoso a chegar aos Estados Unidos em 12 anos.

"O impacto será mais claro nos produtos refinados que no mercado do petróleo", disse David Martin, analista do JPMorgan.

Para os analistas do banco Barclays, o efeito do furacão não seria sentido só nas plataformas marinhas do Golfo do México, mas também na produção em terra. Isso acontece especialmente na bacia de Eagle Ford de onde se extraem 1,4 milhões de barris por dia.

O Harvey também poderia prejudicar o comércio pois obrigaria a fechar terminais portuários do Texas nas quais convergem vários oleodutos e navios petroleiros.

Se o furacão efetivamente virar uma "perturbação maior", suas consequências serão sentidas nos mercados de produtos refinados da América Latina, Europa e Ásia, estimou o analista Martin.

"Contudo, com as reservas de petróleo e refinados na região do Golfo do México, os mercados locais vão estar em boa posição para se adaptar", disse.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP