Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Vista do porto de Santos

(afp_tickers)

A Polícia Federal realizou nesta segunda-feira uma megaoperação em cinco estados e na capital para desarticular uma rede de tráfico que enviou cerca de 6 toneladas de cocaína para a Europa ao longo do último ano.

Mais de 800 efetivos foram mobilizados, a maioria em São Paulo, com ordens de prisão contra 127 pessoas e 190 mandados para apreender documentos e recolher provas.

"A Polícia Federal (PF) lançou nesta nesta madrugada a Operação 'Brabo' a fim de desarticular um esquema de tráfico internacional de cocaína que utilizava a cidade de São Paulo como entreposto e o porto de Santos como principal local de saída da droga", assinalou a PF.

Além das prisões em São Paulo, a força realizou detenções em Minas Gerais, Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e em Brasília.

A investigação começou em agosto de 2016 em cooperação com a DEA, a agência americana de combate às drogas, depois que foram apreendidos três carregamentos de cocaína no porto de Santos e outros dois na Rússia, entre agosto de 2015 e julho do ano seguinte.

O caso revela uma sociedade entre grupos de traficantes brasileiros e europeus, que se proviam de cocaína pura oriunda de países produtores, a armazenavam em São Paulo e a enviavam para a Europa através de transporte marítimo.

O saldo da investigação foi a apreensão de 5,9 toneladas de cocaína em diversas operações realizadas no Brasil, Bélgica, Reino Unido, Itália e Espanha.

O nome da operação remete a um dos destinos da droga, o porto de Antuérpia (Bélgica). Brabo seria um soldado romano que teria libertado os habitantes da região do rio Escalda, onde se localiza Antuérpia, do jugo de um gigante e teria jogado sua mão no rio. Essa lenda deu origem ao nome da cidade.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP