Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Vista do porto de Santos

(afp_tickers)

A Polícia Federal realizou nesta segunda-feira uma megaoperação em cinco estados e na capital para desarticular uma rede de tráfico que enviou cerca de 6 toneladas de cocaína para a Europa ao longo do último ano.

Mais de 800 efetivos foram mobilizados, a maioria em São Paulo, com ordens de prisão contra 127 pessoas e 190 mandados para apreender documentos e recolher provas.

"A Polícia Federal (PF) lançou nesta nesta madrugada a Operação 'Brabo' a fim de desarticular um esquema de tráfico internacional de cocaína que utilizava a cidade de São Paulo como entreposto e o porto de Santos como principal local de saída da droga", assinalou a PF.

Além das prisões em São Paulo, a força realizou detenções em Minas Gerais, Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e em Brasília.

A investigação começou em agosto de 2016 em cooperação com a DEA, a agência americana de combate às drogas, depois que foram apreendidos três carregamentos de cocaína no porto de Santos e outros dois na Rússia, entre agosto de 2015 e julho do ano seguinte.

O caso revela uma sociedade entre grupos de traficantes brasileiros e europeus, que se proviam de cocaína pura oriunda de países produtores, a armazenavam em São Paulo e a enviavam para a Europa através de transporte marítimo.

O saldo da investigação foi a apreensão de 5,9 toneladas de cocaína em diversas operações realizadas no Brasil, Bélgica, Reino Unido, Itália e Espanha.

O nome da operação remete a um dos destinos da droga, o porto de Antuérpia (Bélgica). Brabo seria um soldado romano que teria libertado os habitantes da região do rio Escalda, onde se localiza Antuérpia, do jugo de um gigante e teria jogado sua mão no rio. Essa lenda deu origem ao nome da cidade.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP