Navigation

PGR instaura inquérito contra Bolsonaro por prevaricação

O presidente Jair Bolsonaro em Brasília, 1º de junho de 2021 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 02. julho 2021 - 15:46
(AFP)

A Procuradoria-Geral da República (PGR) anunciou nesta sexta-feira (2) a instauração de uma investigação sobre acusações contra o presidente Jair Bolsonaro por prevaricação na negociação da vacina indiana contra a covid-19 Covaxin.

"Em manifestação protocolada na manhã desta sexta-feira (2), a Procuradoria-Geral da República (PGR) informou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a instauração de inquérito para apurar os fatos" denunciados por três senadores, que acusaram Bolsonaro de prevaricação, informa comunicado da PGR.

Para dar os primeiros passos formalmente na investigação, o vice procurador-geral, Humberto Jacques de Medeiros, pede autorização à desembargadora Rosa Weber para solicitar informações sobre o caso e o eventual "compartilhamento de provas" coletadas por outros órgãos judiciais e legislativo.

Três senadores entraram com ação no Supremo na última segunda-feira para investigar se Bolsonaro cometeu o crime de "prevaricação" ao deixar de denunciar suspeitas de corrupção na compra da vacina indiana Covaxin.

O valor de 45 milhões de dólares, por três milhões de doses, chegou no dia 18 à mesa de Luis Ricardo Miranda, chefe de importação de medicamentos do Ministério da Saúde, que comunicou dúvidas a respeito do documento a seu irmão, o deputado Luis Miranda.

Segundo os irmãos Miranda, Bolsonaro os recebeu no dia 20 de março em sua residência em Brasília e garantiu que comunicaria as suspeitas à Polícia Federal, algo que aparentemente nunca fez.

Entre os três senadores que pediram que o STF fosse acionado está Randolfe Rodrigues, vice-presidente da Comissão Parlamentar (CPI) que investiga supostas omissões do governo no combate à pandemia que já deixou mais de meio milhão de mortos no país.

- Bolsonaro, no momento protegido -

O vice procurador-geral, Medeiros, inicialmente solicitou que o STF recusasse esse pedido, alegando que a CPI já havia incluído o caso em suas investigações.

Mas a ministra Weber negou o pedido, alegando que a PGR não poderia permanecer "no papel de espectador das ações dos Poderes da República".

Caso a PGR encontre provas contra Bolsonaro, pedirá ao STF que abra processo contra o presidente. Mas, para isso, o STF deve obter a aprovação de dois terços da Câmara dos Deputados. Nesse caso, Bolsonaro ficaria afastado de suas funções por seis meses, durante o julgamento.

No entanto, essa hipótese parece improvável hoje, dado que o presidente tem uma base consistente aliada no Congresso.

"Aceitar a investigação [a denúncia de prevaricação] é uma derrota para o presidente, mas não vejo nenhum elemento que garanta a incriminação", afirmou à AFP o analista político Creomar de Souza, da consultoria Dharma.

Paralelamente à CPI e à atual investigação da PGR, a oposição pressiona para que o presidente da Câmara dos Deputados concorde em abrir um processo de impeachment contra Bolsonaro.

A oposição convocou para este sábado a terceira manifestação desde o final de maio, pela saída de Bolsonaro da presidência.

Dezenas de partidos, sindicatos e organizações sociais de esquerda, além de alguns ex-aliados do presidente, entregaram na quarta-feira um documento que reúne uma centena de pedidos de impeachment com mais de 20 denúncias.

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?

Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.
Quase terminado… Nós precisamos confirmar o seu endereço e-mail. Para finalizar o processo de inscrição, clique por favor no link do e-mail enviado por nós há pouco

Leia nossas mais interessantes reportagens da semana

Assine agora e receba gratuitamente nossas melhores reportagens em sua caixa de correio eletrônico.

A política de privacidade da SRG SSR oferece informações adicionais sobre o processamento de dados.