Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Avião da Aerolíneas Argentinas pousa em São Paulo

(afp_tickers)

Os voos da companhia estatal Aerolíneas Argentinas começaram a se normalizar, depois de serem cancelados ou sofrerem atrasos nesta terça-feira em consequência de uma greve de pilotos por reivindicações salariais, anunciou a empresa.

A paralisação inesperada foi suspensa depois que o ministério do Trabalho determinou a conciliação obrigatória, segundo informou a Associação de Pilotos de Linhas Aéreas (LAPA) e a União de Aviadores de Linhas Aéreas (UALA), que representa os pilotos da subsidiária Austral.

A paralisação foi decidida para pedir a reabertura de negociações paritárias e modificações no imposto sobre ganhos (que afeta os salários).

A empresa considerou a greve "uma medida de força intempestiva, desproporcional", que rompe os acordos salariais assinados que venciam em 30 de setembro.

Segundo a companhia, os pilotos desejam salários brutos mensais de 90.000 pesos (10.100 dólares).

A Aerolíneas Argentinas foi privatizada em 1990, mas retornou ao controle do Estado argentino em 2008, quando foi expropriada da espanhola Marsans, junto à filial doméstica Austral, com uma dívida de quase 890 milhões de dólares.

AFP