Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pilotos da Avianca protestam em Bogotá, no dia 12 de outubro de 2017

(afp_tickers)

Os pilotos da Avianca - a segunda maior companhia aérea da América Latina - perderam a queda de braço com a empresa e voltarão ao trabalho na segunda-feira (13), após 51 dias de greve, a mais extensa na história da aviação na Colômbia.

O sindicato que agrupa pouco mais da metade dos 1.388 pilotos da companhia suspendeu a medida na madrugada desta sexta-feira (10), depois de fracassar em sua tentativa de negociar com o empregador melhores salários e condições de segurança.

"Com o retorno dos pilotos na segunda-feira, enfrentaremos as possíveis represálias que a companhia possa ter do ponto de vista legal", disse o presidente da Associação Colombiana de Pilotos Civis (Acdac, na sigla em espanhol), capitão Jaime Hernández.

Segundo as normas colombianas, o protesto não poderia se estender por mais de 60 dias.

Em entrevista à W Rádio, Hernández reconheceu que os grevistas decidiram terminar o protesto como um gesto unilateral "de boa vontade".

"Não tem conquista em si, a conquista é simplesmente que não se prolongue mais a greve e normalizar o serviço o mais rápido possível", acrescentou.

A Acdac desmobilizou o protesto com a mediação do defensor Carlos Negret. Segundo os pilotos, ele acompanhará o retorno da categoria ao trabalho para evitar a violação de seus direitos.

Hernández explicou que, embora tenham decidido encerrar a greve, os pilotos deverão receber capacitação e definir itinerários antes de voltarem a voar na segunda que vem.

A Avianca é a principal companhia aérea da Colômbia e controla 60% do mercado.

O governo de Juan Manuel Santos tentou, sem sucesso, compor um tribunal de arbitragem para aproximar as partes.

O fim das atividades obrigou a empresa a cancelar 13.924 voos, domésticos em sua maioria, o que afetou mais de 420.000 usuários.

"Aqui ninguém ganhou, há apenas perdedores", disse o sócio majoritário da companhia, Germán Eframovich.

No início da greve, a empresa disse que chegou a perder 2,5 milhões de dólares diários.

A Avianca está na expectativa de que a Justiça declare ilegal a medida por meio de um recurso que ainda está sob análise dos tribunais.

Embora tenha comemorado a decisão do sindicato, Eframovich advertiu que os pilotos deverão enfrentar consequências legais.

"Todos, sem exceção, serão submetidos a processos disciplinares da lei. Poderá haver sanções leves, poderá haver demissões", afirmou, em entrevista a rádios locais.

Com o fim da greve, a Acdac espera que o Ministério do Trabalho convoque um novo tribunal de arbitragem para dirimir as diferenças com a companhia, a segunda maior da região, atrás da chileno-brasileira Latam.

A Acdac exigia uma homologação salarial para os pilotos estrangeiros que trabalham com a Avianca Holdings, mais tempo de descanso e a contratação de mais tripulação.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP