AFP

Angelina Jolie e Brad Pitt, que formavam o casal mais famoso de Hollywood

(afp_tickers)

O ator americano Brad Pitt admitiu que o abuso de bebidas alcoólicas contribuiu para arruinar seu casamento e revelou que está sóbrio e fazendo terapia em uma longa entrevista para a revista GQ Style, a primeira desde sua separação de Angelina Jolie.

Aos 53 anos, Pitt pediu a guarda compartilhada legal e física de Maddox (15), Pax (13), Zahara (12), Shiloh (10) e dos gêmeos Vivienne e Knox (8), enquanto Jolie exige a guarda exclusiva.

"Deixei tudo, exceto a bebida, quando formei minha família, mas até o ano passado havia coisas, com as quais não estava conseguindo lidar: estava bebendo muito", disse Pitt à GQ Style.

"Isso se transformou em um problema e estou muito feliz de que já passou meio ano", afirmou.

Jolie, de 41 anos, pediu o divórcio em setembro, citando diferenças irreconciliáveis. Acusou Pitt de bater em seu filho adolescente durante um voo da França para Los Angeles, provocando especulações da mídia sensacionalista e uma investigação do FBI, a Polícia Federal americana.

Com três indicações ao Oscar e uma estatueta pela produção do filme "12 anos de escravidão", Pitt diz que foi capaz de mudar o álcool pelo suco de cranberry e água gasosa, após decidir que não queria viver mais desse jeito.

Pitt, que tem um novo filme na Netflix, "War Machine", que será lançado no final desse mês, contou que nos últimos seis meses se dedicou a "assumir minhas fragilidades e fracassos".

O casamento entre as duas estrelas de Hollywood - conhecidas na mídia de celebridades como "Brangelina" - aconteceu na França, em agosto de 2015. Eles estavam juntos desde 2004.

Brad manifestou seu medo de que a batalha pública pela guarda possa afetar seus filhos e disse que ele e Angelina Jolie estão tentando chegar a um acordo fora dos tribunais.

"Ouvi um advogado dizer: 'Ninguém ganha no tribunal, é só uma questão de quem sai mais ferido'. E parece ser verdade: você passa um ano dedicado a construir um caso para provar seu ponto e provar por que tem razão e por que eles estão errados, e é só um investimento em um ódio feroz", lamentou.

"Simplesmente me recuso", afirmou, acrescentando que "é muito, muito difícil para as crianças ter, de repente, sua família destroçada".

O ator disse ainda que está aprendendo a enfrentar seus sentimentos, apesar de ter sido educado para "lidar com eles".

AFP

 AFP