Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

As vítimas do massacre, com idades entre cinco e 72 anos, participavam do serviço religioso na Primeira Igreja Batista de Sutherland Springs

(afp_tickers)

O autor do tiroteio que deixou 26 mortos no domingo (5) em uma igreja no Texas, Devin Patrick Kelley, foi supostamente motivado por problemas familiares, declarou nesta segunda-feira (6) à imprensa Freeman Martin, chefe da Polícia local.

"Havia uma desavença naquela família", disse Martin, que acrescentou que a sogra de Kelley frequentava a igreja onde o ataque ocorreu.

Segundo Martin, o ataque "não teve motivação racial e também não está ligado a crenças religiosas. Havia um problema doméstico com seus familiares".

De acordo com o chefe da Polícia, Kelley sabia que sua sogra frequentava essa igreja e antes do violento ataque enviou a ela mensagens de ameaças.

Kelley, um ex-soldado da Força Aérea dos Estados Unidos, foi condenado por violência doméstica contra sua esposa e filho.

As vítimas do massacre, com idades entre cinco e 72 anos, participavam do serviço religioso na Primeira Igreja Batista de Sutherland Springs, uma cidade rural de cerca de 400 habitantes localizada a 50 quilômetros a sudeste de San Antonio.

No domingo às 11h20 locais (15h20 de Brasília), o jovem, vestido totalmente com roupas pretas, abriu fogo em frente à igreja antes de entrar no recinto e continuar atirando, afirmou Freeman Martin, diretor regional do Departamento de Segurança Pública do Texas.

O massacre aconteceu apenas cinco semanas depois do ocorrido em Las Vegas, o ataque a tiros com o maior número de mortos registrado no país, 58 vítimas fatais, retomando - mais uma vez - o debate sobre a legislação do porte de armas nos Estados Unidos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP