AFP

Policiais venezuelanos durante manifestação contra o presidente Nicolás Maduro, no dia 6 de abril de 2017, em Caracas

(afp_tickers)

A polícia judiciária da Venezuela divulgou no Twitter fotos de manifestantes opositores, classificados por ela de "geradores de violência", para solicitar informações sobre o seu paradeiro.

"A fim de garantir a PAZ da Vzla, se você tiver informações sobre este gerador de violência, notifique de maneira anônima ao @0800CICPC24", afirma a legenda que acompanha sete fotos, incluindo a de duas mulheres, que foram publicadas na noite de sexta-feira na rede social.

Nesta versão digital de um cartaz de "Procurados", o nome dos suspeitos não é relatado, apenas as fotos, tiradas supostamente na manifestação da última quinta-feira em uma rodovia de Caracas, que terminou com violentos confrontos com as forças de segurança, com cerca de vinte feridos e 30 detidos.

Um jovem manifestante morreu mais tarde por um tiro disparado supostamente por um policial.

Para este sábado, foi convocada outra concentração opositora em Caracas, a quarta nesta semana.

Para Inti Rodriguez, diretor da organização de direitos humanos Provea, a medida da polícia "coloca a vida destas pessoas em risco".

"Poderia gerar uma incitação ao ódio. Buscam que todas as pessoas sejam delatoras e que qualquer uma de forma anônima faça uma denúncia, e isso depois se constitui em uma prova para um processo penal, contradizendo nossa Constituição e leis", explicou Rodríguez ao site de notícias Efecto Cocuyo.

O presidente Nicolás Maduro acusa a oposição de conspirar para derrubá-lo. Diante desta ameaça, criou um "comando antigolpe", cujas operações incluem a formação de informantes e levaram à detenção de meia dezena de opositores, incluindo um deputado suplente.

AFP

 AFP