Navigation

Polícia do Rio enfrenta avalanche de críticas após operação sangrenta

Moradores protestam após operação policial contra supostos traficantes de drogas na favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro, Brasil, em 06 de maio de 2021 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 07. maio 2021 - 20:18
(AFP)

A operação policial que matou 25 pessoas em uma favela do Rio de Janeiro gerou protestos e uma avalanche de críticas nesta sexta-feira (7), além de um pedido da ONU para investigar denúncias de execuções sumárias.

"Parem de nos matar!” dizia uma faixa em frente a uma passeata de centenas de pessoas que saíram da favela do Jacarezinho, onde ocorreu a tragédia na quinta-feira, até uma delegacia.

"Isso foi um dos atos mais bárbaros da história da polícia", disse à AFP o estudante Roger Denis, que participou da protesto. “A gente está pedindo justiça por uma chacina injustificável”, acrescentou.

Outros protestos foram marcados para o período da tarde.

Segundo grupos de direitos humanos, foi a operação policial mais letal da história da cidade, acostumada, no entanto, a ataques violentos por parte das forças de segurança em comunidades pobres com população predominantemente negra.

A Polícia Civil (responsável pelas investigações criminais) indicou que a incursão no Jacarezinho tinha o objetivo de desmantelar uma quadrilha que recrutava crianças e adolescentes para o tráfico de drogas, roubos, sequestros e assassinatos.

A ação, no início da quinta-feira, transformou a área em um cenário de guerra, com cadáveres espalhados e grandes poças de sangue nas ruas estreitas, disseram testemunhas.

Um dos 25 mortos é um policial, que será enterrado à tarde, em uma cerimônia que deve gerar manifestações de solidariedade de seus colegas e de políticos partidários de uma política de segurança rígida, como o presidente Jair Bolsonaro.

Os outros 24 mortos eram "criminosos", disse a polícia, que até agora não identificou os corpos nem explicou as circunstâncias nas quais os agentes abriram fogo.

O porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Rupert Colville, declarou-se "profundamente chocado com a morte de pelo menos 25 pessoas" no Jacarezinho e apelou a uma investigação "independente, completa e imparcial".

“Lembramos às autoridades brasileiras que o uso da força só deve ser aplicado quando for estritamente necessário”, disse em nota divulgada em Genebra.

"A força letal deve ser usada como o última recurso", disse ele.

Os moradores relataram tiroteios intensos. Imagens aéreas da televisão mostraram pessoas armadas fugindo pelos telhados.

- "Foi uma execução" -

A polícia garante que respeitou todos os rigorosos protocolos.

Mas os depoimentos de vizinhos, familiares e um vídeo que circula nas redes sociais levantam dúvidas a respeito.

Uma moradora do Jacarezinho contou à AFP que um jovem foi morto em sua casa, onde havia se refugiado ferido.

“O menino chegou baleado e como ninguém da comunidade pode expulsar outro, ele ficou. Mas a polícia viu sangue e entrou gritando: 'Cadê ele? Cadê ele?'. Só tive o tempo de botar meus filhos pra cá atrás de mim e eles assassinaram o garoto no quarto", disse.

Outra moradora contou ao portal UOL que seu marido, Jonas do Carmo dos Santos, de 32 anos, que trabalhava na construção civil e em uma pizzaria, foi baleado pela polícia quando saía para comprar pão.

Testemunhas no local disseram que ele foi inicialmente baleado na perna e tentou fugir, mas os policiais "se aproximaram e terminaram de executá-lo".

"Chegaram perto e terminaram de executar [o Jonas]. Foi uma execução, vieram para matar. Se depois do tiro tivessem prendido ele, levado para averiguação, seria melhor", acrescentou a mulher, mãe de um recém-nascido.

- Estratégia questionada -

Os seguidores de Bolsonaro rapidamente apoiaram a polícia.

O atual presidente venceu as eleições de 2018 com um discurso sobre armas. Também é próximo da polícia e militares.

"Tudo bandido", disse o vice-presidente Hamilton Mourão, general aposentado, referindo-se às 24 pessoas mortas.

O deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, chamou de "vagabundos" os que questionaram a polícia.

“Há um policial assassinado e eles defendem os assassinos”, escreveu ele no Twitter.

O Rio, uma cidade litorânea icônica com 6,7 milhões de habitantes, é conhecido por sua história de violência.

No ano passado, 1.245 pessoas foram mortas pela polícia no estado do Rio de Janeiro.

Especialistas em segurança e violência questionam por que as autoridades continuam a aplicar uma estratégia militar contra o crime organizado que, ao longo dos anos, resultou em altas taxas de mortalidade e poucos resultados.

“Depois que a polícia sai, os grupos locais nao ficam enfraquecidos, os traficantes encomendam mais fuzis e amanhã grupos locais armados dessas comunidades estarão mais poderosos e mais fortes ”, disse Silvia Ramos, diretora do Observatório de Segurança da Universidade Cândido Mendes.

“E a polícia vai ter que voltar e dar mais tiros e deixar a população mais traumatizada”, acrescentou.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?