Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policiais montam guarda em frente à basílica da Sagrada Família, em Barcelona

(afp_tickers)

A polícia espanhola procurava neste sábado um dos últimos integrantes ainda foragidos da célula extremista que cometeu os atentados de Barcelona e Cambrils, ambos reivindicados pelo grupo Estado Islâmico (EI).

Depois do atentado de Barcelona, que deixou 13 mortos e mais de 120 feridos, a organização extremista reivindicou neste sábado o ataque de Cambrils, que matou uma pessoa e deixou seis feridas. Também neste sábado o EI assumiu a autoria de um ataque com faca na Rússia, que deixou sete feridos.

O governo espanhol decidiu manter, no entanto, o nível de alerta antiterrorista em quatro em uma escala até cinco, por considerar que não há elementos "que apontem para a execução de um atentado de maneira iminente", afirmou o ministro do Interior, Juan Ignacio Zoido. O nível cinco implicaria a presença de militares nas ruas.

A Polícia ativou um dispositivo de controle das vias no âmbito da investigação em curso.

O ministro afirmou que a célula, composta por 12 pessoas, foi "desmantelada".

No entanto, o conselheiro do Interior do governo regional catalão, Joaquim Forn, se mostrou mais prudente, afirmando não poder "ser considerada finalizada" a investigação até a descoberta do paradeiro ou que se detenham "as pessoas que acreditamos que integram esta célula terrorista".

A Polícia continuava à procura do marroquino Younès Abouyaaqoub, de 22 anos, e divulgou uma fotografia do suspeito.

De acordo com a imprensa espanhola, ele seria o motorista da van que atropelou mais de 100 pessoas na quinta-feira à tarde em Las Ramblas, em Barcelona, em um atentado que deixou 13 vítimas fatais.

A informação não foi confirmada pelas autoridades catalãs, que insistem em que o motorista da van ainda não foi identificado.

- Interrogações sobre explosão em Alcanar -

Horas depois do ataque em Barcelona, um Audi A3 avançou contra vários pedestres no calçadão de Cambrils, pequena localidade a 120 km ao sul de Barcelona, e só parou quando bateu em uma viatura da Polícia catalã. Uma pessoa atropelada não resistiu aos ferimentos e faleceu no hospital na sexta-feira.

No tiroteio após o atropelamento, a Polícia matou os cinco homens que estavam no veículo. Eles usavam falsos cinturões de explosivos e estavam com um machado e facas.

Até o momento, o balanço é de cinco integrantes do grupo mortos, quatro detidos e três identificados.

Dois destes últimos podem ter falecido na explosão que aconteceu na quarta-feira em uma casa de Alcanar, localidade a 200 km de Barcelona, onde o grupo tentava preparar explosivos.

- Operação na casa de imã -

Um dos epicentros da investigação é Ripoll, uma localidade catalã de 10.000 habitantes na região dos Pirineus. Nesta pequena cidade viviam sete integrantes da célula e neste sábado a Polícia realizou uma operação de busca na casa do imã Abdelbaki Es Satty, segundo um amigo que dividia apartamento com o imã.

Nourdden, o amigo do imã, disse à AFP que ele era alguém "normal" e que o viu pela última vez na terça-feira: "Ele disse que encontraria a mulher no Marrocos".

O apartamento, ao qual a AFP teve acesso, é pequeno, com menos de 50 metros quadrados, e tinha uma decoração modesta. No quarto do imã não havia nada, exceto um colchão, uma pequena mesa e algumas prateleiras.

Em Ripoll moravam três criminosos mortos em Cambrils por agentes da polícia: Moussa Oukabir, de 17 anos, Said Aallaa, 18, e Mohamed Hychami, 24, todos marroquinos. Na localidade, onde também morou Younès Abouyaaqoub, três suspeitos foram detidos.

"Eu o conhecia de vista, mas é uma pessoa da qual você não espera algo desse tipo", afirmou à AFP Joan Gallego, um vizinho de 47 anos, em referência ao jovem Younes. "Eram boas pessoas, não tinham antecedentes", completou.

"Se um governo como o de Londres, como a CIA e o governo americano, ou a Espanha com o CNI [Centro Nacional de Inteligência], e inclusive o governo da Catalunha com os Mossos d'Esquadra [polícia regional] não conseguem detê-los, como conseguiria a prefeitura de uma cidade de 10.000 habitantes com 14 policiais?", resumiu o prefeito Jordi Munell.

- Vítimas de 35 nacionalidades -

O rei Felipe VI e a rainha Letizia visitaram neste sábado os feridos dos atentados em dois hospitais.

"Quisemos vir para visitar, para estar perto de todas as vítimas e transmitir nosso carinho e nosso afeto", declarou o monarca no hospital de Sant Pau.

À tarde, Felipe e Letizia, ambos vestindo roupas escuras, foram para Las Ramblas depositar uma coroa de flores em um altar improvisado em homenagem às vítimas, ao lado do presidente do governo catalão, Carles Puigdemont, e da prefeita de Barcelona, Ada Colau.

Ao redor havia dezenas de curiosos e foram ouvidos "vivas" à Espanha e Catalunha.

Os ataques deixaram vítimas de pelo menos 35 nacionalidades. Dos 14 mortos, foram identificados até o momento nove: quatro espanhóis, três italianos, uma argentina que também tinha nacionalidade espanhola, e um canadense.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP