Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foto cedida pela Presidência brasileira mostra o presidente Michel Temer, em Brasília, em 5 de junho de 2017

(afp_tickers)

A Polícia Federal chegou à conclusão de que o presidente Michel Temer incorreu em crime de "corrupção passiva", segundo um relatório preliminar divulgado nesta terça-feira pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O relatório deve servir de base para a eventual denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Temer no Supremo.

No documento entregue ao Supremo, a Polícia Federal afirma que as evidências colhidas na investigação indicam "com vigor" que Temer cometeu crime de corrupção passiva.

A PF concluiu que o presidente aceitou pagamentos de vantagens indevidas do grupo J&f por intermédio do ex-assessor e ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, do PMDB do Paraná.

Ao afirmar que Temer e Rocha Loures cometeram os crimes de corrupção passiva, a Polícia Federal destaca que, durante o inquérito, tentou interrogar os dois, que por opção não responderam às perguntas dos investigadores.

"Diante do silêncio do mandatário maior da nação e de seu ex-assessor especial, resultam incólumes as evidências que emanam do conjunto informativo formado nestes autos, a indicar, com vigor, a prática de corrupção passiva".

A PF concluiu ainda que o dono do grupo J&F, Joesley Batista, e o diretor de Relações Institucionais da empresa, Ricardo Saud, cometeram crime de corrupção ativa.

Temer, em viagem internacional por Rússia e Noruega, reagiu ao relatório limitando-se a dizer: "Vamos esperar".

- Contra as cordas -

Desde que as delações se tornaram públicas, Temer tem negado todas as acusações e afirmado que não atuou para beneficiar a JBS e nem teme delação premiada. O presidente também processou Joesley Batista por calúnia, injúria e difamação.

O relatório entregue ao Supremo se refere às investigações sobre os crimes de corrupção passiva, e está baseado nos pagamentos de propina a Rocha Loures e, indiretamente, a Temer "em razăo de interferência ou de suposta interferência no andamento de processo administrativo em trâmite no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE)".

Segundo a delação da J&F, Joesley Batista procurou Rocha Loures para solicitar que o governo intercedesse a favor do grupo em um pleito no Cade.

Com relação às suspeitas de obstrução de Justiça e organização criminosa, a PF pediu mais cinco dias para concluir a investigação, e aguarda o fim da perícia técnica da gravação feita por Joesley Batista de conversa com Temer.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP