Navigation

Polícia Federal vai investigar propagação de notícias falsas no país

(Arquivo) O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 20. outubro 2018 - 19:55
(AFP)

A Polícia Federal (PF) vai investigar o bombardeio de notícias falsas nas redes sociais contra os candidatos à presidência Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).

O anúncio foi feito neste sábado pelo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, um dia depois de o Tribunal Superior Eleitoral autorizar outra investigação, a pedido do PT, sobre um suposto esquema de divulgação em massa de notícias falsas pelo WhatsApp para beneficiar Bolsonaro.

"Atendendo a solicitação da PGR, determinei à Polícia Federal a abertura de inquérito", publicou Jungmann no Twitter.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, havia requisitado ontem à PF a instauração de inquérito para apurar se "empresas de tecnologia da informação" divulgaram, "de forma estruturada", notícias falsas contra os dois candidatos.

A procuradora lembrou que esta prática viola a lei eleitoral e pode interferir na opinião dos eleitores, e afirmou que a mesma deve ser investigada "na ótica criminal".

Apesar dos esforços feitos pelas autoridades, a imprensa e as próprias plataformas, nada conseguiu até agora evitar que as notícias falsas circulassem livremente pelas redes sociais.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.