Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Alan Pulido comemora placar em partida em Monterrey, no México, em 26 de abril de 2014

(afp_tickers)

As forças de segurança mexicanas resgataram "são e salvo" o jogador de futebol Alan Pulido, 24 horas depois do sequestro do atleta no estado de Tamaulipas (nordeste), anunciaram as autoridades na madrugada desta segunda-feira.

Pulido, atacante do Olympiacos da Grécia e que já foi convocado para a seleção mexicana, declarou que está "muito bem, graças a Deus", em uma rápida entrevista coletiva ao lado do governador de Tamaulipas, Egidio Torre Cantú.

O jogador, de 25 anos, foi resgatado "são e salvo pouco antes da meia-noite de domingo" por forças estaduais e federais, anunciou o governo de Tamaulipas em um comunicado, que não revela detalhes da operação.

Pulido passou por exames médicos, de acordo com as autoridades.

Torre Cantú disse à imprensa que o governo está analisando os elementos da investigação e os detalhes devem ser divulgados posteriormente.

"O mais importante é que está aqui, está conosco", disse o governador.

Parentes do atleta afirmaram às autoridades que seis homens armados levaram Pulido de Ciudad Victoria, a capital de Tamaulipas, quando ele retornava de uma festa.

No comunicado, o governo estadual informa que o sequestro aconteceu no sábado à noite, ao contrário das informações preliminares que citavam a madrugada de domingo.

O jogador foi resgatado em uma casa ao sul de Ciudad Victoria, informou o procurador do estado de Tamaulipas, Ismael Quintanilla.

Um sequestrador - Daniel Hernández Morales, de 38 anos - foi detido na operação de resgate e as as forças de segurança prosseguem com a busca de outros participantes, alguns deles já identificados, informou o procurador.

Pulido foi convocado para a Copa do Mundo do Brasil-2014, mas não disputou nenhuma das quatro partidas da seleção do México.

Tamaulipas é um dos estados mais perigosos do México e registra o maior índice de sequestros do país.

AFP