Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Os corpos, perfeitamente preservados, jaziam um ao lado do outro, com mochilas, uma garrafa, um livro e um relógio

(afp_tickers)

A polícia suíça confirmou nesta quarta-feira (19) a identidade do casal encontrado mumificado no maciço de Les Diablerets, sul da Suíça, dizendo se tratar de Marcelin Dumoulin e sua mulher, desaparecidos há 75 anos.

"Com base na comparação de DNA realizada pelo legista em colaboração com a polícia do cantão de Valais e o Ministério Público, os corpos encontrados na geleira foram identificados", informa um comunicado.

"Trata-se de Marcelin Dumoulin e sua esposa Francine Dumoulin, de 40 e 37 anos de idade, desaparecidos tragicamente em 15 de agosto de 1942", segundo o comunicado.

Os corpos, perfeitamente preservados, jaziam um ao lado do outro, com mochilas, uma garrafa, um livro e um relógio.

Eles foram descobertos por um funcionário da estação de esqui Glacier 3000 na quinta-feira passada durante uma visita de rotina à geleira de Diablerets, 2.615 metros de altitude.

"A polícia me ligou esta manhã, às 07H00, para me dar a notícia", disse à AFP Monique Gautschy, de 86 anos, uma das duas filhas ainda viva do casal, que teve sete filhos.

"O funeral será no sábado, mas primeiro quero dar-lhes um beijo", acrescentou Gautschy, que na época do desaparecimento de seus pais tinha 11 anos.

Marcelin Dumoulin, sapateiro, e sua esposa Francine, uma professora, haviam saído em 15 de agosto de 1942 da aldeia de Chandolin para alimentar o seu gado nas montanhas, segundo Gautschy.

"Eu os vi sair naquela manhã de sábado. Era um dia radiante. Eles deveriam assar a noite no prado alpino de Grilden e voltar no domingo", recorda.

"De repente, uma grande nuvem negra cobriu a geleira no período da tarde. Meu tio conseguiu ver os meus pais uma última vez com binóculos", acrescentou.

"Nós passamos nossas vidas à procura deles. Já não acreditávamos que poderíamos oferecer um dia o funeral que mereciam", confidenciou Marceline, que tinha quatro anos quando seus pais desapareceram.

Após dois meses e meio de buscas infrutíferas, os sete filhos, cinco meninos e duas meninas, foram colocados em famílias de acolhimento, exceto a menor, Marceline, que foi adotada por uma tia.

AFP