O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, declarou nesta terça-feira (12) em Varsóvia que os Estados Unidos farão tudo que for possível para frear o projeto do gasoduto Nord Stream 2, que unirá Rússia e Alemanha.

Apesar de a Alemanha ter prometido importar gás liquefeito dos Estados Unidos nos próximos anos, construindo simultaneamente a infraestrutura necessária, Pompeo se mostrou intransigente sobre este projeto que, denunciou, apenas dará mais poder e capacidade de influência para Moscou sobre a Europa.

O gasoduto, cuja construção começou no ano passado, "canaliza dinheiro" para a Rússia sem oferecer benefícios reais à Europa.

"Aliás, há um aspecto comercial nesse tipo de transação, mas também há um enorme risco de segurança", disse o chefe da diplomacia norte-americana em uma coletiva de imprensa conjunta com seu colega polonês, Jacek Czaputowicz.

"Eu acho que o presidente Trump tem sido muito claro no sentido de que os Estados Unidos farão tudo ao seu alcance para garantir que a segurança europeia seja protegida em termos energéticos", disse ele.

O Nord Stream 2 completa o Nord Stream 1, ambos gerenciados pela empresa russa Gazprom, e fornece gás da Rússia à Alemanha através de um gasoduto que cruza as águas territoriais de cinco países: Rússia, Finlândia, Suécia, Dinamarca e Alemanha.

Os críticos do projeto denunciam uma dependência muito grande do gás russo, bem como a disposição de Moscou de evitar o trânsito pela Ucrânia.

"Compartilhamos a visão de que o projeto Nord Stream 2 não atende aos interesses energéticos da Europa, consideramos um projeto fracassado, até mesmo prejudicial", acrescentou Pompeo.

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.