Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O príncipe William da Inglaterra discursa no evento de lançamento da campanha United for Wildlife (Unidos pela Vida Selvagem), em Londres, em 9 de junho de 2014.

(afp_tickers)

O príncipe William da Inglaterra, segundo na linha de sucessão ao trono, voltará a pilotar um helicóptero após sua passagem pela força aérea, mas neste caso será uma ambulância, anunciou nesta quinta-feira o Palácio de Kensington.

William trabalhará na base da cidade de Cambridge, no leste, e atenderá a todo tipo de emergências, de infartos a acidentes de trânsito.

Se passar em todas as provas exigidas, trabalhará a partir do ano que vem para a East Anglian Air Ambulance (EAAA), uma organização sem fins lucrativos que fornece ambulâncias aéreas no leste da Inglaterra.

Em setembro do ano passado, William completou seus três anos de serviço na Royal Air Force como piloto de busca e resgate.

O príncipe tem muita vontade de começar o trabalho, explicou um porta-voz do palácio.

"O trabalho se somará à experiência operacional do duque na Força Aérea", onde realizou "mais de 150 operações de busca e resgate".

Em razão de seu novo trabalho, que coexistirá com suas tarefas oficiais, William, sua esposa Kate e seu filho George dividirão seu tempo entre a residência londrina do Palácio de Kensington e sua casa de campo de Anmer Hall, em Norfolk, no leste da Inglaterra.

Os acidentes de trânsito concentram a maioria das missões das ambulâncias aéreas.

O turno de um piloto é de 8 horas e em um dia de muito trabalho pode chegar a cobrir 5 emergências.

O príncipe William receberá um salário, mas o doará por inteiro à EAAA, a organização que o contratou.

AFP