Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) A prefeita de Barcelona, Ada Colau

(afp_tickers)

A prefeita de Barcelona, Ada Colau, pediu nesta quinta-feira que a União Europeia (UE) faça a mediação entre os governos da Espanha e da Catalunha para solucionar "a crise territorial europeia mais grave dos últimos anos".

Em um artigo publicado pelo jornal britânico The Guardian, Colau afirma que a "Europa não pode permitir-se adotar uma posição passiva ante a questão catalã".

"Minha obrigação, como prefeita da capital da Catalunha, Barcelona, é pedir à Comissão Europeia que abra um espaço de mediação entre os governos espanhol e catalão para encontrar uma solução negociada e democrática ao conflito".

O pedido de Colau acontece a três dias do referendo de independência convocado pelos partidos nacionalistas que governam a região, que a justiça espanhola declarou ilegal.

A tensão aumentou nas últimas semanas: as operações judiciais se intensificaram para impedir o referendo e muitos policiais foram mobilizados para impedir que a votação aconteça.

A Comissão Europeia afirmou nas últimas semanas que considera o tema um assunto interno.

"Ao demonstrar-se incapaz de encontrar uma solução durante todo este tempo, o governo espanhol (do primeiro-ministro conservador de Mariano Rajoy) permitiu que o conflito catalão passasse de disputa interna a conflito europeu", advertiu a prefeita.

Colau, do partido de esquerda Barcelona Em Comum, se declara no artigo contrária à secessão da Catalunha, mas partidária de um referendo legal e acordado com o governo central - que alega que para isso os nacionalistas deveriam obter os apoios necessários para mudar a Constituição espanhola, que impede a consulta.

"Há muitos não separatistas como nós que, apesar de criticarmos o caminho unilateral adotado pelo governo regional catalão, pedimos uma solução negociada de acordo com os sentimentos de 82% da população catalã, que apoia a convocação de um referendo acordado".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP