Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policiais no estado mexicano de Puebla, no dia 5 de janeiro de 2017

(afp_tickers)

Um prefeito e cinco policiais foram detidos pela suposta participação no assassinato de três agentes no estado de Puebla, uma zona do centro do México atingida por quadrilhas especializadas em sequestros e roubos de combustível, informaram as autoridades.

O prefeito do município de Atzitzintla e cinco policiais foram acusados de "associação criminosa e desaparecimento forçado", informou no domingo (12) à noite o procurador de Puebla, Víctor Carrancá.

Dezenas de pessoas também foram presas, entre elas três supostos assassinos que teriam executado os oficiais, disse o secretário de Governo, Diódoro Carrasco.

Na quinta-feira (9), três agentes da procuradoria de Puebla - que fechava uma longa investigação sobre sequestros e roubo de combustíveis na região - foram encontrados sem vida em Maltrata, um município do estado de Veracruz.

As investigações apontavam para uma quadrilha que trabalha para o cartel Los Zetas.

A Procuradoria de Puebla assegurou ter encontrado "provas que permitem estabelecer o envolvimento de autoridades municipais de Atzitzintla" com a quadrilha.

Segundo as autoridades, os policiais de Atzitzintla teriam avisado à quadrilha para interceptarem os investigadores da Procuradoria, que ao se verem em uma emboscada, pediram ajuda a seus superiores.

Após o assassinato dos agentes, foram enviados 500 policiais estaduais, federais, soldados e marinheiros a esta região, uma faixa de 29 municípios que se tornou o maior ponto de extração ilegal de gasolina.

AFP