Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policial de prontidão em frente a clínica em Caracas onde Ledezma foi operado, em 25 de abril de 2015

(afp_tickers)

O prefeito de Caracas, Antonio Ledezma, preso desde fevereiro por suposta conspiração contra o governo venezuelano, foi operado com sucesso de uma hérnia inguinal, informou no domingo seu colega de partido Richard Blanco.

"A operação feita no prefeito Ledezma foi bem-sucedida. Ele está se recuperando com seus familiares", escreveu Blanco, deputado na Assembleia Nacional, em sua conta do Twitter.

A equipe médica de Ledezma explicou à imprensa local que o político cumprirá um período de observação de 48 a 72 horas antes de ser transferido a sua residência, onde continuará sob prisão domiciliar durante sua recuperação.

Ledezma foi transferido no sábado ao Centro Urológico San Román (centro clínico do leste de Caracas) a partir da prisão militar de Ramo Verde, a 40 km da cidade, onde estava desde 19 de fevereiro, quando foi detido por funcionários de inteligência.

Mitzy Capriles, esposa do político, disse à imprensa que Ledezma foi avaliado na sexta-feira por "seu médico e por dois médicos do Sebin (Serviço Bolivariano de Inteligência)", que concordaram no diagnóstico de "hérnia inguinal reproduzida".

Ledezma, de 59 anos, prefeito de Caracas reeleito em 2013, é um dos principais opositores ao governo socialista de Nicolás Maduro, acusado de "apoiar grupos que pretendiam desestabilizar o país através de ações violentas".

Na mesma prisão de Ramo Verde encontra-se desde fevereiro de 2014 o opositor radical Leopoldo López, apontado como promotor da violência nos protestos que deixaram 43 mortos entre fevereiro e maio do ano passado.

Lilian Tintori, esposa de López, e Mitzy Capriles, buscaram apoio internacional para a causa de seus respectivos maridos.

AFP