Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de se afastar do acordo climático de Paris parece ter empurrado os prefeitos americanos a agirem por conta própria

(afp_tickers)

A decisão do presidente Donald Trump de retirar os Estados Unidos do acordo de Paris sobre o clima desencadeou um esforço bipartidário dos prefeitos americanos para manter os cortes de emissões que Washington prometeu fazer, disse o prefeito de Atlanta nesta terça-feira.

O prefeito Kasim Reed disse que estava enviando um sinal de "otimismo, paixão e ação" na luta contra as mudanças climáticas para os prefeitos em todo o mundo, apesar da retirada que Trump anunciou este mês.

"A decepcionante decisão do presidente Trump de se retirar do acordo terá o efeito oposto em termos de execução", disse Reed em uma reunião de prefeitos da Ásia, África, Europa, América do Sul e América do Norte em Bruxelas.

"O que não tínhamos realmente era o nível de cooperação, paixão e intensidade até a decisão do nosso presidente de retirar" o país do pacto global, disse Reed.

Trump causou indignação quando decidiu retirar os Estados Unidos - o segundo maior emissor de gases de efeito estufa do mundo - do acordo de Paris de 2015, que pretende limitar o aumento das temperaturas impulsionado pela atividade humana.

Reed disse que compareceu a uma reunião em Miami no sábado onde mais de 300 prefeitos dos Estados Unidos, tanto do partido Democrata como do Republicano, se comprometeram a honrar os compromissos que o antecessor de Trump, Barack Obama, assumiu em Paris.

A reunião mostrou que esta "não é uma questão partidária", disse o prefeito democrata.

"Eu não vou ir tão longe a ponto de dizer que podemos alcançar exatamente os mesmos objetivos que poderíamos com a liderança nacional", disse Reed à AFP mais tarde.

Mas ele disse que as cidades poderiam fazer o suficiente para manter a bola rolando até a chegada de um novo presidente dos Estados Unidos que esteja comprometido com o acordo de Paris.

Ele citou especialistas que argumentam que as cidades podem atingir de 35% a 45% dos cortes de emissões estabelecidos sem o envolvimento dos governos nacionais.

O ex-prefeito de Nova York e bilionário filantropo Michael Bloomberg, que ia se juntar aos prefeitos do mundo em Bruxelas na terça-feira, anunciou na segunda-feira um plano de US$ 200 milhões para apoiar políticas inovadoras nas cidades americanas.

O clube C40 dos prefeitos das principais cidades do mundo pediu na segunda-feira aos líderes do G20 que apoiem fortemente o acordo de Paris - mesmo que eles sejam agora apenas 19, após a retirada de Trump - quando se reunirem no próximo mês em Hamburgo, na Alemanha.

AFP