Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O premier indiano, Narendra Modi

(afp_tickers)

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, condenou nesta quinta-feira (29) os assassinatos e os linchamentos de muçulmanos e de outras minorias religiosas no país em nome da proteção das vacas, consideradas sagradas pelo hinduísmo.

"Matar pessoas em nome do culto à vaca não é aceitável", disse o líder nacionalista hindu em um discurso em Ahmedabad, em seu estado natal de Gujarat (oeste), do qual foi governador por muito tempo.

Há dois anos, multiplicaram-se na Índia os linchamentos de muçulmanos, ou de membros da comunidade dalit (os "intocáveis"), cometidos por milícias autoproclamadas defensoras das vacas.

Desde abril passado, pelo menos dez muçulmanos foram linchados.

É a primeira vez que Narendra Modi trata dessa questão, após ser criticado por não fazer nada contra a violência da maioria hindu contra as minorias religiosas.

"Ninguém tem o direito de fazer justiça com as próprias mãos neste país. A violência não foi, nem nunca será, uma maneira de resolver esse problema", garantiu.

A declaração coincide com o homicídio, cometido há alguns dias, do adolescente muçulmano Junaid Khan, de 15 anos, acusado de transportar carne de vaca. Ele morreu esfaqueado em um trem que saía de Nova Délhi.

A Polícia prendeu quatro suspeitos e continua buscando aquele que teria sido o principal responsável pelo crime, ainda foragido.

AFP