Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Erdogan criticou os Estados Unidos, sem citá-lo diretamente, por defender as operações do exército israelense e denunciou a inércia do mundo muçulmano.

(afp_tickers)

O primeiro-ministro turco, fervoroso defensor da causa palestina, comparou nesta quinta-feira os métodos utilizados por Israel durante sua ofensiva contra Gaza aos de Adolf Hitler.

"Diga-me, qual é a diferença entre as operações israelenses e as dos nazistas e de Hitler?", questionou Erdogan em um discurso por ocasião da campanha presidencial em Van (leste).

"É racismo, fascismo. Tudo o que está sendo feito em Gaza volta a reacender o espírito do mal e perverso de Hitler", declarou Erdogan, favorito na eleição presidencial que acontecerá entre 10 e 24 de agosto.

Erdogan, que continua a denunciar veementemente a ofensiva sangrenta lançada por Israel em 8 de julho contra o enclave palestino controlado pelo movimento islâmico Hamas, reafirmou que as operações israelenses se assemelham a um "genocídio" contra o população civil palestina.

O primeiro-ministro turco também criticou os Estados Unidos, sem citá-lo diretamente, por defender as operações do exército israelense e denunciou a inércia do mundo muçulmano.

"Aqueles que permanecem em silêncio diante deste massacre são tão cruéis quanto os agressores", afirmou Erdogan que defende a causa palestina com fervor e cujo governo tem estreitas relações com a liderança do Hamas.

Desde 8 de julho, mais de 1.370 palestinos foram mortos e mais de 7.000 ficaram feridos, de acordo com os serviços de emergência. Do lado israelense, 56 soldados e três civis foram mortos.

As relações entre Israel e Turquia, aliados regionais no passado, estão paralisadas desde o ataque a um navio turco de ajuda humanitária em 2010, que matou 10 ativistas turcos.

AFP