Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Theresa May recebe Arlene Foster em Londres

(afp_tickers)

A primeira-ministra conservadora britânica, Theresa May, chegou a um acordo com o Partido Unionista Democrático (DUP) norte-irlandês, o que lhe permite recuperar a maioria absoluta na Câmara dos Comuns, em troca de 1 bilhão de libras.

"O DUP apoiará o governo conservador nas votações do discurso da rainha, do orçamento, da legislação sobre o Brexit e da segurança nacional", explicou May em um comunicado.

May contará com o apoio dos 10 deputados do partido liderado por Arlene Foster após o fiasco das eleições de 8 de junho, quando perdeu a maioria absoluta.

Os conservadores têm 317 das 650 cadeiras da Câmara dos Comuns. Com as 10 do DUP, a base da primeira-ministra vai superar mais da metade dos deputados.

A Irlanda do Norte receberá um bilhão de libras adicionais como parte do acordo de governo entre o DUP e o Partido Conservador de Theresa May, anunciou Arlene Foster.

"Saudamos este apoio financeiro de um bilhão de libras nos próximos dois anos", anunciou Foster em Downing Street após assinar o acordo.

Foster disse que este é um "bom acordo para o Reino Unido e bom para a Irlanda do Norte", ao mesmo tempo que elogiou o "espírito que reinou nas negociações".

- De onde sairá o dinheiro -

May tentou tranquilizar aqueles que consideram que o acordo equivale a tomar partido entre unionistas e republicanos na Irlanda do Norte ao prometer seguir governando "respeitando os interesses de todas as partes".

"Saúdo este acordo que nos permitirá trabalhar juntos no interesse de todo o Reino Unido e nos dará a certeza que necessitamos ao iniciar nossa saída da União Europeia, disse May.

A oposição, no entanto, criticou o custo do apoio dos unionistas.

"Claramente, o acordo Conservador-DUP não responde aos interesses do país, e sim ao interesse do partido de May de aferrá-la ao poder", disse Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista, o principal da oposição.

"De onde vem o dinheiro para o acordo? As outras regiões do Reino Unido receberão o tão necessário financiamento adicional que a Irlanda do Norte receberá como parte do acordo?", questionou Corbyn.

Para o chefe do Governo regional de Gales, Carwyn Jones, o acordo é "indigno e inaceitável, pois acaba com a ideia de um financiamento justo para todas as nações e regiões" do Reino Unido.

- Irlanda do Norte sem governo -

Foster conquista assim o poder de afundar ou manter viva May e seu governo e, no entanto, não consegue formar o governo em sua província, rejeitada pelo Sinn Fein católico por sua suposta relação com um escândalo de corrupção.

"Esta tarde voltarei à Irlanda do Norte para seguir negociando", disse Foster.

O dia 29 de junho é a data limite determinada pelo governo britânico para que o DUP e o Sinn Fein formem um governo de coalizão ou poderia suspender a administração norte-irlandesa e administrar a província diretamente a partir de Londres.

Os acordos de paz de 1998 que acabaram com 30 anos de violência entre unionistas e republicanos na Irlanda do Norte obrigam o maior partido de cada comunidade a uma aliança em um governo de coalizão.

As negociações com o DUP criaram mal-estar em alguns setores conservadores porque o partido norte-irlandês é ultraconservador, contrário ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e ao aborto, ao mesmo tempo que nega as mudanças climáticas.

Com o acordo, May tem a garantia de superar a moção de confiança que deve enfrentar esta semana, quando a Câmara dos Comuns votará sobre o discurso da rainha Elizabeth II, como é conhecido o programa legislativo dos próximos dois anos.

Além disso, ela ganha um pouco mais de tranquilidade no início das negociações de divórcio com a União Europeia (UE), que começaram há poucos dias e devem durar dois anos.

Apesar do DUP ter apoiado o Brexit no referendo de 2016, o partido deseja que a fronteira com a Irlanda - a única terrestre entre o Reino Unido e a UE - permaneça aberta para não prejudicar a economia local.

AFP