Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Abe enviou uma 'masakaki', árvore sagrada, para as celebrações do festival de outono no memorial, que duram quatro dias

(afp_tickers)

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, enviou flores ao santuário de Yasukuni, um polêmico memorial do exército imperial, um gesto que pode irritar a China e a Coreia do Sul, em um momento de tensão regional.

O chefe de Governo já foi muito criticado em outras ocasiões por suas declarações, que são consideradas "revisionistas" a respeito do papel do imperialismo japonês.

Abe enviou uma "masakaki", árvore sagrada, para as celebrações do festival de outono no memorial, que duram quatro dias.

A menos de uma semana das eleições legislativas antecipadas que acontecem no próximo domingo, nenhuma autoridade política importante havia sido vista no local nesta terça-feira.

Diante da crescente ameaça da Coreia do Norte, o Japão tenta melhorar as relações com a China e a Coreia do Sul.

O santuário privado Yasukuni homenageia quase 2,5 milhões de pessoas que morreram pela pátria, mas desde 1978 inclui em seu memorial criminosos de guerra condenados pelos aliados após a rendição de Tóquio na Segunda Guerra Mundial.

Pequim e Seul, vítimas do militarismo dos japoneses na primeira metade do século XX, o consideram uma afronta a suas vítimas.

Abe visitou Yasukuni em dezembro de 2013, para marcar seu primeiro aniversário no poder. Pequim e Seul expressaram indignação e o governo americano expressou "decepção" com o gesto.

Desde então Abe não visitou mais o local, limitando-se a enviar flores ao santuário.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP