Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Foto tirada em 22 de junho de 2017 mostra a primeira-ministra polonesa, Beata Szydlo, em Bruxelas

(afp_tickers)

A primeira-ministra polonesa, Beata Szydlo, acusou nesta quarta-feira o presidente francês, Emmanuel Macron, de "tentar introduzir o protecionismo" na UE, em meio às divergências entre Paris e Varsóvia sobre os trabalhadores deslocados.

"Realmente me preocupa que o presidente francês esteja minando os pilares da União Europeia e tentando introduzir o protecionismo, atacando o livre mercado e a circulação de pessoas e serviços", declarou Szydlo à rede pública TVP.

"Esses são sinais preocupantes. Acho que é o momento no qual pelo menos alguns dos líderes da UE devem responder a pergunta de se a unidade é importante para eles (...) ou se alguns desses lideres querem dividir a União Europeia".

Macron prometeu na campanha que revisaria o estatuto dos trabalhadores deslocados e espera defender esta reforma na cúpula da UE nos dias 19 e 20 de outubro.

Esta norma permite, por exemplo, a uma empresa polonesa ganhar um contrato na França e enviar para lá trabalhadores poloneses por períodos de até dois anos para realizar o trabalho, sem ter que pagar impostos na França, que são mais altos do que na Polônia.

A Polônia é o país que mais se beneficia dessa diretriz e que manter este sistema intacto.

Atualmente, cerca de 500.000 poloneses estão empregados por empresas em seu país, mas exercem suas funções em outros Estados da UE.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP