AFP

Aleksandar Vucic dicursa durante comício pré-eleição do Partido Progressista Sérvio

(afp_tickers)

Os sérvios votavam neste domingo para eleger um novo presidente, em uma eleição em que o atual primeiro-ministro, Aleksandar Vucic, pretende assegurar seu poder, em meio a acusações da oposição de que ele está gerindo uma transição para um regime autoritário.

Cerca de 6,7 milhões de sérvios irão às urnas, que abriram às 07H00 locais (02H00 de Brasília) e fecharão às 20H00 (15H00 de Brasília). Esperam-se os primeiros resultados antes da meia-noite.

O primeiro-ministro aparece como favorito diante da divisão da oposição, que concorre com 10 candidatos, entre eles o antigo Defensor do Cidadão Sasa Jankovic, do Partido Democrático, o ex-ministro das Relações Exteriores Vulk Jeremic e o ultranacionalista Vojislav Seselj.

O posto de presidente tem sido limitado a um papel burocrático nos últimos tempos, mas os especialistas advertiram que, se o cargo for ocupado por Vucic, irá adquirir um aspecto mais político.

Assim como nas legislativas de 2016, vencidas por sua formação, o Partido Progressista Sérvio, Vucic se apresenta para estas eleições como um "referendo pelo futuro", apelando para o contexto de tensão nos Bálcãs.

Esta dramatização é ilustrada em um vídeo de campanha de Vucic: por conta da falta de uma liderança claramente identificada na cabine do piloto, um avião se choca contra a inscrição "Sérvia 2017", causando um acidente.

Vucic conquistou importantes avanços econômicos desde que se tornou primeiro-ministro, em 2014. No ano passado, o país fechou as contas com um crescimento de 2,8%. Entretanto, com estas cifras convivem dados como o do desemprego, que atinge 15% da população, em um país onde a média dos trabalhadores recebe um salário de 330 euros.

AFP

 AFP