Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O premier turco, Recep Erdogan

(afp_tickers)

O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, foi alvo de críticas nesta sexta-feira por chamar uma jornalista de "mulher sem-vergonha".

Amberin Zaman, que escreve para o jornal The Economist e o diário turco Taraf, perguntou ao principal dirigente opositor Kemal Kiliçdaroglu, durante um debate televisionado, se uma sociedade muçulmana podia questionar suas autoridades.

Depois dessa pergunta, em um ato eleitoral na cidade de Malatya na quinta, Erdogan, dado como vencedor nas eleições presidenciais de 10 de agosto, se referiu a Zaman sem dizer seu nome.

"Uma militante disfarçada de jornalista, uma mulher sem-vergonha [...] Lembre-se de qual é o seu lugar. A você foi dada uma caneta para escrever em um jornal [...] e insulta uma sociedade de 99% de muçulmanos", afirmou o primeiro-ministro.

Em um comunicado, a The Economist disse que a "intimidação de jornalistas não tem cabimento em uma democracia. Com Erdogan, a Turquia se converteu num lugar cada vez mais difícil para o jornalismo independente".

O vice-primeiro-ministro Bulent Arinç também afirmou há algum tempo que "uma mulher não deve rir alto em público", o que também causou polêmica num país basicamente muçulmano, mas onde o Estado é laico.

O candidato da oposição Ekmeleddin Ihsanoglu criticou Arinç, afirmando: "Precisamos ouvir a risada alegre das mulheres".

AFP