Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Carles Puigdemont, em Bruxelas, no dia 31 de outubro de 2017

(afp_tickers)

O presidente catalão destituído Carles Puigdemont e membros de seu governo foram intimados a depor na quinta e na sexta-feira na condição de investigados na Audiência Nacional de Madri, anunciou o tribunal em um comunicado divulgado nesta terça-feira (31).

Além disso, a juíza de instrução determinou o pagamento em no máximo três dias de uma fiança aos 14 investigados de 6,2 milhões de euros. Caso não o façam, seus bens serão embargados.

Vários dos catorze integrantes do governo catalão destituído, entre eles Puigdemont, estão desde a segunda-feira em Bruxelas, aonde foram para poder agir "com liberdade e com segurança", explicou o líder separatista em coletiva de imprensa nesta terça-feira.

O procurador-geral do Estado espanhol apresentou uma queixa-crime contra eles, agora aceita pela Audiência Nacional, acusando-os de rebelião e sedição, crimes punidos com até 30 e 15 anos de prisão, respectivamente, por impulsionar um processo de secessão nesta região do nordeste da Espanha.

O Parlamento catalão proclamou na sexta-feira uma república independente da Espanha, mas esta não se efetivou ante a rápida intervenção do governo espanhol, que tomou o controle da administração regional.

Em sua argumentação, a juíza explica que apesar das reiteradas proibições judiciais, o governo catalão "continuou impulsionando as medidas necessárias para a criação de um Estado catalão independente em forma de república".

Embora Puigdemont tenha assegurado que com sua viagem a Bruxelas não queira fugir da ação judicial, também afirmou que não voltaria à Espanha até que não possa se submeter a um processo judicial com garantias de imparcialidade, acusando a o procurador de "desejo de vingança".

A ação contra Puigdemont e seu governo se uniu a outra aberta contra os líderes das duas principais associações separatistas, ANC e Omnium, que estão presos preventivamente desde 16 de outubro.

Na quinta e na sexta-feira também devem se apresentar à Justiça em Madri, neste caso perante o Supremo Tribunal, a presidente do Parlamento catalão, Carme Forcadell, e outros dirigentes da Câmara regional, também acusados de rebelião e sedição por permitir a declaração de independência.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP