Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

(afp_tickers)

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, cancelou sua participação e discurso na abertura da 36ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, no momento em que seu país passa por uma grave crise política, econômica e institucional.

"O presidente Maduro não vai discursar no Conselho de Direitos Humanos. Está previsto que o ministro Arreaza Montserrat o faça em seu lugar", afirmou um porta-voz da instituição em uma nota enviada à imprensa, sem outras explicações.

Maduro havia anunciado na segunda-feira sua viagem no dia 11 de setembro a Genebra. O cancelamento da visita acontece poucas horas depois do anúncio. Ele pretendia discursar aos representantes dos 47 Estados membros do Conselho, como havia feito em novembro de 2015.

O presidente venezuelano denunciou na ocasião o "assédio permanente" sofrido por seu país e exigiu "máximo respeito".

A Venezuela integrará até 2018 o Conselho de Direitos Humanos, cujos membros são eleitos pela Assembleia Geral da ONU.

O país é cenário desde abril de manifestações contra o governo de Maduro, que deixaram 125 mortos.

Mais de 5.000 pessoas foram detidas, de acordo com a ONG Foro Penal.

A crise política venezuelana se agravou com a eleição de uma Assembleia Constituinte controlada pelo governo, dotada de poderes quase ilimitados e que assumiu as prerrogativas do Parlamento, que tem maioria opositora.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP