O ex-presidente do Sudão Omar al Bashir foi transferido durante a noite para uma prisão de Cartum, informou à AFP um parente do chefe de Estado deposto, enquanto os manifestantes prosseguem com os protestos para exigir uma rápida transição a um governo civil.

"Bashir foi transferido na noite passada (terça-feira) para a prisão Kober de Cartum", afirmou a fonte, que pediu anonimato por razões de segurança.

Bashir, 75 anos, estava detido pelos militares em um local não revelado desde sua prisão após o golpe que resultou em sua destituição.

De acordo com testemunhas, soldados e grupos paramilitares estavam presentes nesta quarta-feira nas proximidades da prisão da zona norte de Cartum.

A detenção de Bashir não acalmou os manifestantes, que protestam desde dezembro contra o governo e que permanecem acampados diante do quartel-general das Forças Armadas em Cartum.

Os militares fizeram algumas concessões aos manifestantes, incluindo a demissão na terça-feira do procurador-geral Omer Ahmed Mohamed. Mas os manifestantes seguem determinados.

"Enfrentamos gás lacrimogêneo, muitas pessoas foram detidas. Eles atiram contra nós e muitos morreram. Tudo porque dissemos o que queríamos", afirmou Fadia Jalaf à AFP.

As autoridades indicaram que pelo menos 65 pessoas morreram durante os protestos desde dezembro.

Os sudaneses celebraram diante do quartel-general, mas a inquietação aumenta porque muitos acreditam que os militares tentarão dispersar o protesto à força.

"Tememos que roubem nossa revolução, por isso estamos aqui, até que nossas demandas sejam atendidas", disse Jalaf.

Testemunhas afirmaram que veículos militares cercaram a área e que as tropas removeram as barricadas criadas pelos manifestantes.

Ao tomar o poder na quinta-feira passada, os militares anunciaram que um Conselho Militar governaria o país durante dois anos, o que provocou reações negativas dos líderes dos protestos, que pediram a dissolução da junta.

Um dia depois, o ex-ministro da Defesa Awad Ibn Ouf pediu demissão como chefe da junta, o que foi celebrado pelas ruas.

Seu substituto, o general Abdel Fatah al Burhan, iniciou conversas no fim de semana com os partidos políticos, mas nada foi anunciado.

A junta militar enviou um representante à sede da União Africana (UA) em Adis Abeba, mas o bloco regional ameaçou suspender o Sudão pelo golpe de Estado.

Os 55 membros da UA deram aos militares prazo de 15 dias para entregar o poder a um governo civil, enquanto a ONU designou um novo enviado para trabalhar com o bloco regional em uma mediação.

Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos anunciaram apoio aos militares sudaneses. Cartum integra a aliança liderada por Riad que atua na guerra do Iêmen.

As potências ocidentais, que já haviam pressionado Bashir a aceitar as reivindicações das ruas, mantêm o apoio aos manifestantes.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.