Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Maio) Lenín Moreno (e) e Rafael Correa, no momento da transferência de poderes

(afp_tickers)

O presidente do Equador, Lenín Moreno, acusou nesta sexta-feira seu antecessor, Rafael Correa, de espioná-lo através de uma câmera oculta instalada pelo ex-presidente "há sete ou oito anos" no gabinete presidencial.

"No dia de ontem o Serviço de Proteção Presidencial detectou uma câmera oculta no gabinete do presidente da República. Fui informado que esta câmera foi instalada pelo presidente Correa (Rafael) há sete ou oito anos", denunciou Moreno, no poder há quatro meses.

"Ontem estava funcionando e não sabemos quantas vezes esteve funcionando (...). Estou extremamente chateado e vou iniciar imediatamente uma investigação, uma investigação bastante forte sobre o assunto", disse o presidente.

Desde que assumiu o poder, em 24 de maio passado, Moreno - um ex-aliado e vice-presidente de Correa - mantém uma ácida disputa com o ex-presidente, que a partir de Bruxelas - onde vive com sua família - se tornou o principal opositor do atual governo.

Correa, muito ativo nas redes sociais, reagiu com rigor à denúncia de Moreno: "Câmera oculta acionada a partir do meu celular?! Se o presidente Moreno provar isto vou para a prisão, mas se não, que ele renuncie à presidência, não pelo erro, mas pelo ridículo. Que vergonha"!

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

AFP