Navigation

Presidente do Equador denuncia que teve celular invadido

O presidente do Equador, Lenín Moreno afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 29. março 2019 - 21:26
(AFP)

O presidente do Equador, Lenín Moreno, denunciou nesta sexta-feira que um hacker invadiu seu telefone celular e de sua família após a divulgação de fotos íntimas em redes sociais.

"Pessoas inescrupulosas de comportamento canalha acessaram os arquivos dos telefones e tablets meus e das minhas filhas, e começaram a circular fotos de nossa intimidade, de nossa felicidade", disse Moreno durante uma vistoria em áreas inundadas na província de Guayas (sudoeste) por conta das fortes chuvas.

Através de perfis no Twitter e Facebook e de um site foram divulgadas fotos e vídeos da vida em família de Moreno, assim como mensagens de voz do político.

Um site inclusive denuncia supostos vínculos do dirigente equatoriano com uma empresa criada em um paraíso fiscal, acusações que Moreno nega.

Sem dar nomes, o presidente garantiu conhecer a origem da invasão: "Sabemos quem paga por isto. Sabemos perfeitamente. Tem relações com aqueles que levaram bilhões de dólares na década passada", período governado pelo seu antecessor e ex-aliado Rafael Correa (2007-2017).

Moreno, que foi vice-presidente de Correa entre 2007 e 2013, trava uma luta com o ex-governante, que vive na Bélgica e que se converteu em seu principal opositor após romper com o atual governo.

Em 2017, Moreno acusou Correa de espioná-lo com uma câmara escondida no gabinete presidencial que supostamente era acessada pelo ex-aliado através de seu telefone celular.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.