AFP

(Arquivo) Foto tirada em 11 de agosto de 2015 mostra o presidente do grupo Lotte, Shin Dong-Bin, durante coletiva em Seul

(afp_tickers)

O presidente do grupo Lotte, o quinto maior conglomerado sul-coreano, foi indiciado nesta segunda-feira pelo caso de corrupção que provocou a destituição da presidente da Coreia do Sul.

Shin Dong-Bin, 62 anos, é acusado pelo pagamento de quase sete milhões de dólares em subornos à ex-presidente Park Geun-Hye e a sua confidente, Choi Soon-Sil.

A ex-presidente foi indiciada oficialmente nesta segunda-feira por suborno no caso de corrupção que provocou seu impeachment,

A queda em desgraça da ex-presidente começou em meados de 2016, quando foi revelado que sua amiga e confidente Choi Soon-sil, que nunca ocupou nenhum cargo oficial, aproveitou sua influência para fazer com que grandes empresas pagassem milhões de dólares.

AFP

 AFP