Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente do Fed de Nova York, William Dudley

(afp_tickers)

O influente presidente do Federal Reserve de Nova York, William Dudley, anunciou nesta segunda-feira que deixará o cargo em meados de 2018.

A partida de Dudley poderia mudar um pouco mais o rosto do comitê de política monetária do Fed (FOMC), mas, ao contrário de outras vagas, o presidente Donald Trump não tem poderes para nomear um substituto.

Na semana passada, Trump anunciou que quando expirar, em fevereiro, o mandato da presidente do Fed, Janet Yellen, ele vai nomear como seu substituto Jerome Powell, que já é um dos governadores do banco central americano.

Atualmente, três dos sete cargos da administração do Fed estão vagos e para os quais Trump pode nomear substitutos. Pode haver outra quarta vaga se, ao deixar a presidência, Yellen também abandonar o conselho do Fed, onde pode continuar até 2024.

Dudley "quer deixar o cargo em meados de 2018 para permitir que seu sucessor o ocupe bem antes do final de seu mandato", indicou o Federal Reserve de Nova York em um comunicado.

Seu mandato expira em janeiro de 2019, quando atinge o limite de 10 anos e o conselho de administração do banco já está procurando seu substituto.

O Fed de Nova York tem um papel fundamental na política monetária, uma vez que seu presidente tem um assento permanente no FOMC, do qual também detém a vice-presidência.

Os outros 11 presidentes regionais do Fed exercem cargos rotativos no FOMC, embora todos participem das discussões com os governadores da entidade.

O Federal Reserve de Nova York é quem implementa as decisões de política monetária comprando e vendendo ativos nos mercados.

Dudley apoiou a política de aumento gradual das taxas de juros atualmente aplicadas pelo Fed e foi elogiado por Yellen por suas "enormes contribuições" para o FOMC.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP