Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Donald Trump em 21 de janeiro em Langley, Virgínia

(afp_tickers)

O presidente do México, Enrique Peña Nieto, teve no sábado sua primeira conversa telefônica com Donald Trump como presidente dos Estados Unidos e, fazendo votos por um "novo diálogo" que traga "bons resultados", os dois concordaram em se reunir no dia 31 de janeiro, informaram as duas presidências.

Mas estas boas intenções já enfrentaram um obstáculo, quando o porta-voz da Casa Branca, Sean Psicer, deu a notícia referindo-se a Peña Nieto como "primeiro-ministro".

Na manhã de sábado, Peña Nieto reiterou suas saudações ao novo presidente americano e durante um telefonema "expressou a vontade do México de trabalhar em uma agenda que beneficie os dois países, com um enfoque de respeito à soberania", indica um comunicado da presidência mexicana.

Pouco depois, Spicer informou em uma coletiva de imprensa que Trump "conversou com o primeiro-ministro do México, Peña Nieto, sobre uma visita" que será realizada a Washington no dia 31 de janeiro.

Este telefonema ocorre quase cinco meses depois da visita que Trump fez ao México quando ainda era candidato, provocando uma onda de repúdio social contra Peña Nieto e a renúncia do então ministro da Fazenda, Luis Videgaray, promotor do encontro entre o presidente mexicano e o candidato republicano.

Na ocasião, a residência presidencial de Los Pinos abriu suas portas ao magnata, e em uma coletiva de imprensa lado a lado Trump defendeu seu direito de construir um novo muro fronteiriço pago pelo México, enquanto Peña Nieto denunciou timidamente os adjetivos - de "estupradores" a "criminosos" - que o magnata utilizou para se referir aos imigrantes mexicanos.

No sábado, Peña Nieto "reiterou a prioridade estratégica dos laços bilaterais (...) e expressou seu interesse de manter um diálogo aberto" com os Estados Unidos, acrescenta a nota presidencial.

No dia 4 de janeiro, Videgaray voltou ao gabinete de Peña Nieto, desta vez como chanceler.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP