Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente do Parlamento Europeu Antonio Tajani, na França, no dia 3 de outubro de 2017

(afp_tickers)

O presidente do Parlamento Europeu, o italiano Antonio Tajani, criticou nesta sexta-feira (20), em Oviedo (norte da Espanha), os que "semeiam a discórdia", em uma aparente alusão à crise política na Catalunha.

"Quando alguns semeiam a discórdia, ignorando as leis voluntariamente, creio que seja necessário lembrar da importância do respeito ao Estado de Direito", disse Antonio Tajani, em espanhol, ao receber o prêmio Princesa de Astúrias da Concórdia em nome da UE.

Tajani criticou que agora "os egoísmos nacionais venham à tona" e lamentou que "haja alguns na Europa, populistas e nacionalistas, que gastam esforços e recursos em nos separar".

"Fariam melhor em trabalhar pela concórdia", afirmou.

Igualmente, disse que frente ao futuro é fundamental "não erguer fronteiras entre os europeus".

"Vezes demais nos ofereceram o paraíso mudando as fronteiras e fomos levados ao inferno com isso", acrescentou.

Anteriormente, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, elogiou o europeísmo da Espanha nas últimas décadas.

"A Espanha é uma força motriz da Europa, e o lugar da Espanha está e estará no coração da Europa. Sem a Espanha, a Europa seria mais pobre", enquanto o presidente do Conselho Europeu, destacou que o "diálogo sempre é melhor que o conflito" e que "a lei deve ser respeitada por todos".

Estavam presentes na cerimônia o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, cujo governo anunciará neste sábado as medidas que toma para intervir a autonomia da Catalunha, onde as autoridades separatistas seguem ameaçando com uma declaração unilateral de independência.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP