Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente francês, Emmanuel Macron

(afp_tickers)

O governo do presidente francês, Emmanuel Macron, apresentou nesta quinta-feira sua ambiciosa proposta de reforma para flexibilizar o mercado de trabalho, um dos projetos mais complexos de seu mandato.

Essa reforma é uma das prioridades do jovem presidente de 39 anos, que aspira a "renovar o modelo social" francês e frear o desemprego na França, que beira 10% da população ativa.

A nova legislação, fruto de várias semanas de conversas com sindicatos e organizações patronais, será aprovada mediante decretos para evitar um longo processo de debate legislativo.

As medidas vão reforçar o poder de negociação das empresas sobre as condições de trabalho e também vão limitar as indenizações por demissões sem justa causa, para beneficiar as contratações.

O primeiro-ministro, Edouard Philippe, que apresentou os cinco decretos em uma coletiva de imprensa, disse que eles vão ajudar a França a "compensar os anos perdidos" de forte desemprego.

Contudo, vários líderes sindicais que ainda devem estudar em detalhe o texto de 200 páginas se mostraram menos entusiasmados.

"Nossos temores foram confirmados", declarou o secretário-geral da CGT, um dos principais sindicatos franceses, Philippe Martinez, que convocou "trabalhadores, aposentados e jovens" a se manifestarem em 12 de setembro.

O líder do sindicato CFDT, Laurent Berger, disse que estava "profundamente decepcionado" com alguns pontos da reforma, mas não convocou passeatas.

A reforma trabalhista é um campo minado político na França. O ex-presidente socialista, François Hollande, enfrentou meses de protestos, muitos deles violentos, no ano passado, por uma reforma muito menos ambiciosa que a de Macron.

- Mudar o modelo social francês -

As próximas semanas devem ser tensas também para o atual mandatário. Além da CGT, o partido de esquerda radical França Insubmissa, de Jean-Luc Mélenchon, convocou os franceses a tomar Paris contra o "golpe de Estado social" nos dias 12 e 13 de setembro.

A reforma do código trabalhista é uma parte fundamental da agenda de Macron e o primeiro passo de uma revisão geral do modelo social da França, que vai incluir outras mudanças maiores em seguro-desemprego e pensões.

O ex-ministro de Economia, que assumiu a presidência em maio, fez campanha prometendo reformar o mercado de trabalho na França para dar mais flexibilidade às empresas, seguindo os passos da Alemanha e de países escandinavos.

"Somos a única grande economia da União Europeia que, nas últimas três décadas, não conseguiu derrotar o alto desemprego", disse Macron à revista Le Point em uma entrevista publicada nesta quarta-feira.

Apesar de ter admitido, na semana passada, que os franceses "odeiam reformas" e tentaram evitá-las pelo máximo de tempo possível, ele sabe que seus sócios europeus estão acompanhando de perto para ver se ele consegue ser bem sucedido onde outros já fracassaram.

"Esse é um teste" para ele, já que "a percepção geral da França nos países vizinhos é que é um país incapaz de reformar suas políticas públicas sem que haja uma guerra social", comentou Christian Lequesne, pesquisador do Centro de Estudos de Relações Internacionais (CERI).

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP