Navigation

Presidente interina da Bolívia diz que Morales não poderá ser candidato

(13 nov) A presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 14. novembro 2019 - 20:48
(AFP)

A presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, disse nesta quinta-feira (14) que o ex-presidente Evo Morales, que está asilado no México, "não está habilitado" a se candidatar a um quarto mandato nas próximas eleições, após a anulação das eleições de outubro por irregularidades.

"Evo Morales não está habilitado para um quarto mandato, por isso foi toda essa convulsão (..), dom Evo Morales e dom Álvaro García não estão habilitados para um quarto mandato", enfatizou em coletiva de imprensa.

O partido do ex-presidente, o Movimento Ao Socialismo (MAS) "tem direito de participar nas eleições gerais", esclareceu, recomendando "que vá buscando candidato".

Morales, que governou a Bolívia há quase 14 anos, foi habilitado por uma polêmica sentença do Tribunal Constitucional em 2017 para candidatar-se a um quarto mandato, ao considerar que era "um direito humano".

A decisão foi adversa a um referendo nacional, que lhe havia negado um ano antes essa possibilidade a Morales.

Diante das objeções de que foi proclamada sem o quórum regulamentar, o mesmo tribunal avaliou na segunda-feira a eleição de Áñez, com uma interpretação jurídica que contempla um apoio "mínimo constitucional" em um contexto de crise política, para evitar que o país tenha um prolongado vácuo de poder, segundo o analista Carlos Borth.

A jornalistas, Áñez acrescentou: "Que eles (Mesa e García) fossem submetidos a todas as instituições do país são dois pontos à parte, mas o que nós queremos agora é transparência, é independência de poderes, que (o tribunal) atue de acordo com as normas".

Na mesma linha, o ex-candidato presidencial Carlos Mesa, que pediu eleições no tempo "mais curto possível", disse que Morales não pode ser habilitado como candidato, pois cometeu um "delito".

"O senhor Morales é autor de um grave delito que é passível a uma sanção penal e a fraude foi cometida contra o país, mas em particular contra mim", disse Mesa, que reivindicava seu direito a um segundo turno, antes de as eleições serem anuladas pelo próprio Morales, após um relatório da OEA que encontrou "graves" irregularidades no processo eleitoral.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.