Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, em Pequim, em 18 de julho de 2017

(afp_tickers)

O presidente palestino, Mahmud Abbas, conversou nesta segunda-feira com o líder do Hamas, no primeiro diálogo entre os dois em quase um ano, no dia seguinte de o grupo islamita fazer um gesto conciliador com o Fatah, partido de Abbas.

Abbas, que está em Nova York, informou por telefone a Ismail Haniyeh "sua satisfação pelo clima de reconciliação" entre os dois adversários, segundo um comunicado da agência palestina oficial Wafa.

O chefe do Hamas afirmou que a sua formação estava "determinada a avançar para acabar com a divisão", assinalou um comunicado do partido islamita palestino.

Um porta-voz do Hamas indicou à AFP que os dois líderes não se falam desde o encontro no Catar, em outubro de 2016.

No domingo, o Hamas anunciou a dissolução de um polêmico conselho, considerado um obstáculo à unidade interpalestina, e chamou o Fatah a entabular novas conversas de reconciliação.

Reconhecida pela comunidade internacional, a Autoridade Palestina, do presidente Abbas, no poder na Cisjordânia ocupada, enfrenta o Hamas desde que o movimento islamita a expulsou da Faixa de Gaza em 2007.

O primeiro-ministro palestino, Rami Hamdallah, que viajará em breve à Faixa de Gaza, se reunirá com responsáveis do Hamas e reafirmará a autoridade do governo, declarou a jornalistas em Ramallah Nabil Shaath, conselheiro de alto escalão de Mahmud Abbas.

"Estamos esperamos as primeiras medidas no terreno. Queremos ver Hamdallah sendo recebido pelo Hamas e as portas abertas de todos os ministérios (em Gaza, atualmente controlada pelo Hamas)", continuou. "Isso poderia acontecer nas próximas 24 horas".

Seria a primeira visita do primeiro-ministro palestino à Faixa de Gaza desde 2015, quando uma tentativa de reconciliação fracassou.

O anúncio no domingo da dissolução do "conselho administrativo" por parte do Hamas foi recebido de forma favorável pela ONU e pelo Fatah, que o via como um governo paralelo que colocava impedimentos na reconciliação.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP