Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Imagem aérea cedida pelo Jornal da Cidade mostra fumaça vinda do Centro de Progressão Penitenciária CPP3, em Bauru, no dia 24 de janeiro de 2017

(afp_tickers)

A Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) informou, nesta terça-feira, que 152 presos escaparam de um centro de detenção de regime semiaberto, depois de atearem fogo em um dos pavilhões.

Em comunicado divulgado no final da tarde, a SAP revelou que a polícia conseguiu capturar 100 detentos e que 52 permanecem foragidos. Os internos vão deixar o regime semiaberto e passar para o regime fechado.

O incidente aconteceu na manhã de terça-feira, dentro do Centro de Progressão Penitenciária CPP3, em Baurú. O protesto teria começado depois que um agente tirou o celular de um interno durante uma revista de rotina.

O grupo "ateou fogo no teto do pavilhão, mas os bombeiros controlaram o incêndio rapidamente", explicou à AFP uma fonte da SAP.

"Os presos começaram um tumulto e alguns aproveitaram para fugir do centro", que está cercado por arames frágeis e de onde os presos entram e saem todos os dias para trabalhar ou estudar.

O CPP3 tem 1.430 presos, mas sua capacidade é para apenas 1.124, segundo números da SAP.

A fuga é mais um episódio que escancara a grave crise do sistema penitenciário brasileiro. Desde o início do ano, uma série de motins resultou na morte de 140 presos, em meio a uma guerra entre facções criminosas.

AFP