Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Chimpanzés no santuário queniano de Sweetwaters, em 14 de julho de 2016

(afp_tickers)

Cerca de 150 cientistas de toda a África estão reunidos em Abidjan para criar a Sociedade Africana de Primatologia (SAP) com o objetivo de salvar os macacos ameaçados de extinção no continente.

A situação dos primatas é catastrófica: mais da metade das espécies africanas estão ameaçadas de extinção. E em Madagascar, 85% das espécies de lêmures poderiam desaparecer, segundo Inza Koné, diretor de pesquisa e desenvolvimento no Centro suíço de pesquisas científicas da Costa do Marfim.

Nesse país, a população de chimpanzés - os primatas mais parecidos com os humanos - diminuiu 90% em 20 anos.

As principais causas da redução da população de primatas na África são: a caça, sobretudo a furtiva, e o desaparecimento do seu habitat, particularmente das florestas, devido à extensão das atividades humanas como a agricultura, exploração florestal, mineração e urbanização.

Tais causas são difíceis de combater sem convencer as comunidades locais da importância da defesa dos primatas e do seu entorno.

"Os africanos, tanto os que tomam decisões como os cidadãos comuns, respondem melhor quando o discurso vem de um cientista africano", estima o professor Koné, ressaltando que o mundo da primatologia está dominado por especialistas americanos ou europeus.

Os primatologistas africanos são pouco conhecidos em escala internacional, têm acesso a um menor financiamento e dirigem escassos projetos de pesquisa ou de conservação, inclusive em seu próprio continente, explica.

"É o momento" de criar a SAP, "necessitamos realmente uma organização africana administrada por africanos", junto com a Sociedade Internacional de Primatologia existente, considera o americano Russell Mittermeier, uma eminência mundial no assunto e em lêmures de Madagascar.

- Formar os jovens -

Rachel Ikemeh criou uma ONG para salvar os colobos-vermelhos da região do Delta na Nigéria, macacos com cerca de 10 kg e pelagem avermelhada nas costas que se encontram em perigo crítico de extinção.

Há 20 anos havia dezenas de milhares de exemplares, agora restam entre 500 e 1.000 nesta região petroleira. Há muitos interesses internacionais em jogo, e é difícil conscientizar sobre a importância da defesa do meio-ambiente, explica Ikemeh.

A SAP permitirá aos cientistas africanos "intercambiar conhecimentos, experiências, constituir redes", e também "formar jovens primatologistas", afirma Ikemeh, uma das promotoras do projeto junto com o professor Koné.

Rose-Marie Randrianarison, primatologista da Universidade de Ankatso em Antananarivo e especialista em indris, um tipo de lêmur, veio de Madagascar para o nascimento da SAP. Estes animais de pelagem preta e branca também estão em risco pelo desaparecimento do seu habitat.

"É preciso sensibilizar as autoridades locais, às quais a população presta atenção" e também "informar e envolver os que tomam decisões políticas", aponta a primatologista.

O vice-presidente da organização americana de proteção da natureza Conservation International, Russell Mittermeier, recorda o início da primatologia no Brasil, outro país no qual é especialista e que conta com o maior número de espécies de primatas (150).

"Em 1971, só havia um primatologista brasileiro", diz. Graças à criação da Sociedade Brasileira de Primatologia, que formou jovens maciçamente, o país contava com "centenas" deles no final dos anos 1980. Um exemplo para a África.

AFP