Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) A primeira-dama do Zimbábue, Grace Mugabe

(afp_tickers)

Suspeita de ter agredido duas mulheres em um hotel na África do Sul, a mulher do presidente do Zimbábue, Grace Mugabe, apresentou-se à Polícia e deve comparecer diante da Justiça ainda nesta terça-feira (15) - anunciou o ministro sul-africano da Polícia, Fikile Mbalula.

"Não está detida, porque coopera e se apresentou à Polícia", declarou Mbalula à imprensa, acrescentando que a esposa de Robert Mugabe comparecerá hoje à tarde perante um tribunal de Johannesburgo.

"Os cidadãos estrangeiros devem compreender que têm responsabilidades, sobretudo os que têm passaporte diplomático", declarou o ministro.

"Eu não posso ir ao Zimbábue, agredir alguém e esperar que o assunto desapareça", completou Mbalula.

Duas mulheres apresentaram uma queixa contra Grace Mugabe após uma confusão no domingo em um hotel de Johannesburgo.

Uma das supostas vítimas, uma jovem de 20 anos, afirmou que no domingo à noite estava no hotel com amigos quando foi agredida pela esposa do presidente Robert Mugabe, que estava em um quarto próximo.

"Estávamos tranquilamente em nosso quarto e ela veio nos agredir. Tenho um ferimento aberto no rosto. Sou modelo e ganho dinheiro com meu visual", afirmou Gabriella Engels ao jornal sul-africano The Times.

De acordo com uma pessoa próxima à vítima que pediu anonimato, Grace Mugabe buscava os filhos, que na realidade estavam em outro quarto.

Grace Mugabe, presidente da Liga das Mulheres da União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (ZANU-PF), o partido que governa o país, está na África do Sul para um tratamento em um ferimento no pé.

O governo do Zimbábue não reagiu oficialmente ao incidente.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP