Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Uma vaca com encefalopatia espongiforme bovina (BSE), mais conhecida como doença da vaca louca, é vista em Berket al-Sabaa, Egito, no dia 23 de março de 2012

(afp_tickers)

O primeiro caso desde 2013 de encefalopatia espongiforme bovina (BSE), mais conhecida como doença da vaca louca, foi detectado na Irlanda - informou nesta quinta-feira a autoridade sanitária irlandesa, um duro golpe para a indústria pecuária do país.

"Os resultados finais dos testes confirmam que o recente caso suspeito de BSE é um caso isolado de BSE clássica em um único animal", disse um comunicado do ministério da Agricultura.

O bovino em causa tinha sido encontrado morto em uma fazenda no nordeste do país no início de junho. Sessenta e sete gados da mesma fazenda foram abatidos, apresentaram resultados negativos e excluídos das cadeias alimentares humana e animal, segundo o ministério.

Surgida no Reino Unido na década de 1980, a doença da vaca louca se espalhou para muitos países da Europa e do mundo devido à utilização de farinhas de origem animal contaminada. Suspeita de ser a causa da variante da doença de Creutzfeldt-Jakob em humanos, ela despertou a preocupação dos consumidores e levou a uma grave crise no setor da carne.

A confirmação deste primeiro caso desde 2013 é um duro golpe para a indústria bovina irlandesa, já que o país acaba de reconquistar o título de "baixo risco" pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE). As autoridades irlandesas aguardam agora que o país retroceda ao nível "risco controlado".

A Irlanda é um dos maiores exportadores de carne bovina do mundo, com exportações de 524.000 toneladas em 2014, representando cerca de 2,27 bilhões de euros.

No início ano ano, Dublin conseguiu a suspensão do embargo sobre as exportações de carne bovina para os Estados Unidos e a China pela primeira vez desde a crise da vaca louca do final dos anos 1990.

AFP