Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Narendra Modi discursa em Nova Délhi no dia 15 de agosto de 2014

(afp_tickers)

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, anunciou nesta sexta-feira medidas de alto valor simbólico na luta contra a pobreza, ao prometer o acesso de todos os indianos a uma conta bancária e banheiros para as mulheres expostas ao risco de violência sexual nas zonas rurais.

Em um discurso em Nova Délhi no dia do aniversário da independência do país, o líder nacionalista hindu prometeu "um programa de economia popular que permita aos mais pobres possuir a própria conta bancária".

Segundo ele, a medida é necessária para ajudar os camponeses insolventes que em alguns casos chegam a cometer suicídio porque não conseguem pagar os agiotas.

"Por quê nossos camponeses cometem suicídio? Porque eles precisam pedir dinheiro emprestado a juros extremamente elevados a agiotas que estão foram do sistema bancário", destacou.

Dependendo das circunstâncias, os camponeses poderão se beneficiar de garantias públicas de até 100.000 rupias (mais de 1.600 dólares).

Quase 30% dos indianos, ou 363 milhões de pessoas, viviam abaixo do limite da pobreza no período 2011-2012, segundo dados divulgados recentemente.

Narendra Modi também prometeu a instalação de banheiros para as mulheres nas zonas rurais, um investimento que ele considera indispensável para evitar as agressões sexuais.

No mês de maio, duas primas adolescentes foram estupradas por vários homens e penduradas em uma árvore em seu vilarejo em Uttar Pradesh. As duas foram agredidas quando caminhavam para um campo para fazer suas necessidades, pois moravam em uma casa sem banheiros.

"Estamos no século XXI e ainda não existe dignidade para as mulheres que precisam esperar a noite para sair e fazer suas necessidades", disse o primeiro-ministro.

O chefe de Governo anunciou que em um prazo de quatro anos todas as casas do país deverão ter um banheiro. Além disso, afirmou que todos os colégios deverão ter sanitários separados para meninos e meninas.

AFP