Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pesquisadores anunciaram ter detectado pela primeira vez na África um parasita da malária que é parcialmente resistente ao principal fármaco antimalárico, a artemisinina.

(afp_tickers)

Pesquisadores anunciaram ter detectado pela primeira vez na África um parasita da malária que é parcialmente resistente ao principal fármaco antimalárico, a artemisinina, gerando preocupação sobre os esforços para combater uma doença que afeta centenas de milhões de pessoas a cada ano.

Até então, os cientistas só haviam identificado tais formas de resistência aos medicamentos contra a malária, transmitida por mosquitos, no sudeste da Ásia.

Em 2015, a malária infectou mais de 200 milhões de pessoas e matou cerca de 438.000 em todo o mundo, a maioria delas crianças na África.

"A propagação da resistência à artemisinina na África seria um grande retrocesso na luta contra a malária, uma vez que a ACT (terapia combinada de artemisinina, na sigla em inglês) é o único tratamento antimalárico eficaz e amplamente utilizado no momento", disse o autor principal do estudo, Arnab Pain, da Universidade Rei Abdullah de Ciência e Tecnologia, na Arábia Saudita.

"Portanto, é muito importante monitorar regularmente a resistência à artemisinina em todo o mundo", acrescentou.

Os parasitas da malária resistentes aos medicamentos foram detectados em um paciente chinês que havia viajado da Guiné Equatorial para a China, disse o estudo, liderado por Jun Cao, do Instituto Jiangsu de Doenças Parasitárias da China, e publicado na revista médica New England Journal of Medicine.

A terapia combinada de artemisinina geralmente elimina a malária do sangue em três dias.

No sudeste da Ásia, cepas do agente causador da malária, Plasmodium falciparum, se tornaram relativamente tolerantes à artemisinina, o que é conhecido como "resistência parcial".

A maioria dos pacientes ainda pode ser curada, mas leva mais tempo.

Os especialistas da Organização Mundial da Saúde estão preocupados com o fato de que o P. falciparum poderia eventualmente se tornar completamente resistente à artemisinina, assim como se tornou resistente a outros medicamentos antimaláricos.

Os pesquisadores disseram que descobriram que o parasita carregava uma nova mutação em um gene chamado Kelch13 (K13), que é o principal motor da resistência à artemisinina na Ásia.

Eles então confirmaram que a resistência tinha se originado na África, usando "sequenciamento do genoma inteiro e ferramentas de bioinformática" que haviam desenvolvido anteriormente, "como detetives tentando ligar o parasita culpado à cena do crime", disse Pain.

AFP