Navigation

Primo distante do T-Rex é encontrado no Canadá

Foto da universidade de Calgary e do Royal Tyrrell Museum, de um "Thanatotheristes degrootorum" afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 10. fevereiro 2020 - 19:22
(AFP)

Pode ser o membro mais antigo de uma família assustadora: uma nova espécie de tiranossauro, próxima ao T-Rex, foi descoberta no Canadá. Segundo estudo, a espécie habitava as planícies da América do Norte há cerca de 80 milhões de anos.

Apelidado de "o ceifador da morte", o "Thanatotheristes degrootorum" encontrava-se no topo da cadeia alimentar e poderia chegar a medir oito metros de longitude, conforme artigo da revista científica Cretaceous Research.

O carnívoro gigante, do qual apenas algumas partes do crânio de 80 cm foram encontradas, é o mais antigo membro da família dos T-Rex conhecido na América do Norte, segundo sugere esse estudo. A espécie remonta a aproximadamente 79 milhões de anos, enquanto o T-Rex, imortalizado por Steven Spielberg no filme "Jurassic Park", viveu há 66 milhões de anos.

É a primeira vez em meio século que uma nova espécie de tiranossauro é descoberta no Canadá.

"Há poucas espécies de tiranossauros, mas há muita variedade entre elas. Eles eram muito diferentes entre si", explica Darla Zelenitsky, co-autora do estudo. O Thanatotheristes degrootorum é o décimo a ser identificado na América do Norte.

"Em função da cadeia alimentar, esses grandes predadores localizados na parte mais alta dela eram raros em comparação com outros herbívoros", ressalta a paleontóloga da universidade de Calgary, no Canadá.

O "ceifador da morte" se diferenciava de outros tipos da espécie por ter um focinho largo e comprido, similar ao dos grupos de tiranossauros mais primitivos, que viveram ao sul do Estados Unidos.

As diferenças nos crânios observadas nos diferentes grupos era resultado das diferentes dietas.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.